18 abril 2024

Nos 50 anos do 25 de Abril (III)

 É bom não esquecer

Manuel Loff no «Público» de 17/4

(...)«O 25 de Abril não foi de forma alguma um “golpe de Estado” clássico. Resultou da iniciativa de uma geração de jovens capitães, 30 e poucos anos, formados todos nas escolas militares impregnadas de colonialismo, nacionalismo autoritário e lições mal aprendidas da Argélia e do Vietname, valores que, em África, na guerra, começaram a repudiar. Derrubada a ditadura, sustentada, afinal, apenas sobre o medo da repressão e a opção irreversível pela guerra, mas sem que ninguém se quisesse bater por ela, a Revolução irrompe pela força irreprimível de todo aquele povo que, contra a vontade (ou a expectativa) do MFA, invadiu não apenas as ruas, entre cravos e aplausos, mas cercou a sede da PIDE/DGS e as prisões políticas para exigir a libertação dos presos. Da mesma forma, se se chegou, ao fim de poucos dias, a um cessar-fogo nas colónias, foi por vontade dos oficiais e soldados que, na mata, desesperavam por uma solução política para a guerra, e dos guerrilheiros africanos que não ficaram à espera do que se decidisse em Lisboa. O MFA vinha prometer o fim da guerra (era essa a mensagem essencial do seu programa); mas o calendário que alguma vez terá imaginado foi antecipado pela vontade das centenas de milhares de jovens empurrados, ano após ano, para África. O 25 de Abril foi a vontade simultânea dos capitães de fazer a paz e a perceção do povo português de se ter aberto uma oportunidade única de democracia genuína, sem medo e sem guerra.» (...)

Nos 50 anos do 25 de Abril (II)

 

Novo livro da URAP


À venda na Av. da Liberdade, 157,
 Lisboa (preço 10 E)

17 abril 2024

Nos 50 anos do 25 de Abril

URAP promove conferência internacional «Democracia, Paz e Liberdade - Fascismo nunca mais

aro/as Companheiro/as,

 

No âmbito das celebrações dos 50 anos do 25 de Abril, a URAP vai realizar no próximo dia 26 de Abril, uma Conferência Internacional, que decorrerá em Lisboa, na Escola Secundária de Camões (antigo Liceu Camões), das 9h30 às 18h30.

 

Serão oradores convidados nacionais, entre outros, Aida Rechena, Almirante Martins Guerreiro, António Filipe, Carlos Tomé, Carlos Pereira, George Lamberto, Gonçalo Paixão, Ilda Figueiredo, Luís Farinha, Rita Rato, José Goulão, Domingos Lobo, Manuel Loff e Edgar Silva.

 

Participam convidados estrangeiros, nomeadamente de Itália, Chile, Brasil, Espanha - Catalunha, Badajoz e Huelva-, França, Bélgica, e dirigentes da Federação Internacional de Resistentes.

 

A inscrição tem o preço de 20,00 Euros, com acesso aos documentos da Conferência, intervalo para café e almoço,  podendo ser paga diretamente na receção da Conferência, ou mediante a apresentação do comprovativo de transferência do valor da inscrição, para o NIB da URAP que se indica: NIB: 0007 0021 0014 3750 0065 3

 


Justiça fiscal

 A resposta é sim !

«Descida do IRC vale
sete vezes a do IRS?»

«O  problema das contas sobre o IRS é um tiro no pé na credibilidade da AD, do ministro das Finanças e naprópria coesão do Governo.» - editorial de Helena Pereira no «Público»

15 abril 2024

Agostinho Lopes no «Expresso»

 Algumas verdades essenciais
sobre a produtividade

«A CIP dá posse ao Governo AD/Montenegro A treta da produtividade é uma antiquíssima cassete de Ferraz da Costa o 1º Presidente da CIP, que depois foi sendo mastigada e repetida à saciedade pelos que lhe sucederam! É o que os nossos irmãos brasileiros chamam “conversa para boi dormir”»

artigo na íntegra aqui

Comadres

 Que família tão unida


Passos diz que Montenegro
 tem-se desligado de si

«Ex-primeiro-ministro diz que Montenegro tem-se afastado do seu legado e revela que a troika não confiava em Paulo Portas.»

Na edição de 12 de Abril

 A não perder no «Público»
a entrevista com João Pina
sobre o seu livro «Tarrafal»


Só para assinantes aqui

12 abril 2024

Era uma vez um estado de graça

 Um descarado
 truque do governo

As esfarrapadas explicações do Governo face a estas denúncias arrasam-se de uma forma muito simples perguntando: porque é que, em vez de andarem a falar de 1.5oo milhões, não falaram antes e só de 200 milhões ?

IMPOSTOS

Afinal, choque de IRS de
 Montenegro é seis vezes
inferior ao de Costa: 

«Redução de IRS deverá rondar apenas os 200 milhões de euros. Os 1,5 mil milhões de euros anunciados por Luis Montenegro já abrangem a redução de IRS em vigor, aprovada pela anterior maioria socialista. “Os portugueses foram enganados”, denuncia Pedro Nuno Santos.» (Expresso online)


Atenção, muita atenção

O novo governo 
e o salário mínimo

Carmo Afonso no «Público»

(...) Este Governo encontrou uma forma de acenar com um valor simpático  [1000 euros em 2028), sem ficar obrigado ao seu estabelecimento. As pessoas memorizam o valor e criam legítimas expectativas de o receber. Mas pode não ser assim e é importante, e decente, que saibam aquilo com que podem contar.

O Governo tem a obrigação de esclarecer as centenas de milhares de trabalhadores que ganham o SMN, tem a obrigação de assumir compromissos, digo indicar valores concretos e datas exatas. Não há outra forma de fazer política.
Ontem ouvimos Miranda Sarmento falar da relação entre o aumento do SMN e o crescimento económico. Isto é muito preocupante. Reparem que o programa económico da AD era puramente fantasioso: previa um crescimento do PIB de 3,5% até 2028 e uma progressão de 4% na legislatura seguinte. O anterior Governo previa um crescimento económico de apenas 1,8% até 2027. Ora, se é com base na concretização das alucinadas previsões dos economistas da AD, bem podem os trabalhadores portugueses ir buscar um banquinho para esperarem sentados pelos aumentos salariais. (...)»

11 abril 2024

Paulo Raimundo na AR

Um programa
de retrocessos

Senhor presidente, senhoras e senhores deputados, senhor primeiro ministro.

Uma saudação, um alerta, um compromisso, uma pergunta e uma certeza.

A saudação é aos médicos, enfermeiros, técnicos, professores, auxiliares, oficiais de justiça, profissionais das forças de segurança e das forças armadas, bombeiros, a saudação a todos os trabalhadores e à sua luta que vão obrigar o governo a dar respostas aos seus problemas.

O alerta é a todos os que ambicionam a vida melhor, ainda o Governo tenta iniciar funções e já procura justificações para não cumprir o que lhes foi vendendo.

Que governo é este? Que programa é este?

Sobre direitos dos trabalhadores, reformas, combate à injustiça e desigualdade à precariedade e horários desregulados, considerações vagas, mas nada de soluções.

Sobre salários, demagogia e contenção, são as palavras de ordem numa altura em que cai por terra o mito da produtividade no qual o governo sustenta parte do seu programa.

É que hoje é claro que os salários reais evoluem menos que a produtividade. 

O Governo e seus aliados da concentração da riqueza nas mãos de uns poucos, à custa de quem a produz a riqueza, que são os trabalhadores, procuram sempre justificações para travar o aumento de salários e pensões mas, encontram sempre razões para mais favores aos grupos económicos e retirar ao Estado condições e meios para cumprir o seu papel, como é agora com a redução do IRC.

Há impostos que deviam de facto baixar, vai o governo reduzir o IVA na electricidade, telecomunicações e gás?

Vai o governo ser num passa cheques para o capital?

Vão continuar as parcerias público privadas rodoviárias a sacar por ano mil milhões de euros públicos?

É para manter benefícios fiscais de mil e seiscentos milhões de euros aos grupos económicos?

É desta que os lucros da banca vão suportar o aumento das taxas de juro?

São as respostas a estas questões que se exigem e das respostas virá a definição dos caminhos. 

Senhor primeiro-ministro, do PCP contará com firme combate e oposição ao governo, aos objectivos e aos projectos que unem, entre outros, PSD, CDS, o Chega e a Iniciativa Liberal. 

É este o compromisso do PCP com os trabalhadores e o povo.

Sabemos bem o caminho que querem retomar e aprofundar.

Não alimentamos ilusões, rejeitamos um programa que é negativo pelo o que afirma e mas também pelo o que omite e que está claramente ao serviço dos grupos económicos.

Para finalizar deixo a certeza e a convicção de que os trabalhadores, os reformados, a juventude, o povo; todos os que exigem a mudança, salários, reformas, acesso à saúde, educação, serviços públicos, justiça, habitação, combate à corrupção e às suas causas, respeito e dignidade, todos os exigem uma vida melhor, não vão baixar os braços perante ataques nem recuos nos seus direitos e vão exigir com a sua luta respostas aos seus problemas, e o direito que tem a uma vida melhor, a um País soberano e desenvolvido, com uma mais justa redistribuição da riqueza criada.

Senhor primeiro-ministro, não iluda os problemas do nosso País e acima de tudo não iluda as dificuldades dos que cá vivem, trabalham e estudam.

São estes que precisam de respostas e não os que concentram a riqueza como se não houvesse amanhã.


09 abril 2024

Na apresentação do livro dos cavernícolas

 Sobre os Estados
 Gerais da reação

Notícia no «Público» : «Passos Coelho apela a entendimentos políticos depois de “sinal claro” nas eleições. Passos sublinhou a necessidade de as pessoas “se entenderem colectivamente” e avisou que não se pode dizer aos eleitores que se tem “muito respeito pelas suas preocupações”, mas ignorar a escolha que fizeram nas eleições.
Passos Coelho apela a entendimentos políticos depois de “sinal claro” nas eleições.“Isso é um bocadinho um insulto às pessoas, não podemos dizer ‘estou muito preocupado com os seus anseios, mas se fizer esta escolha, daqui não leva nada, se fizer aquela escolha, comigo não fala’”, afirmou. 
Na assistência estava Nuno Melo, ministro da Defesa Nacional, e os deputados do Chega Rita Matias e Diogo Pacheco Amorim, além de outras  personalidades que participaram no livro e que são conotadas com uma ala mais conservadora. À saída, ainda dentro da sala, Passos Coelho trocou algumas palavras com Ventura. “Já nos cumprimentámos no Parlamento, temos sempre de reconhecer o mérito dos outros, muito bem, já o felicitei pela eleição, e pela prestação que tem tido no Parlamento , disse, desejando um “bom mandato”. “[A intervenção] Foi brilhante”, respondeu o líder do Chega.
Em declarações aos jornalistas, Ventura considerou que foi um discurso inspirado nas “bandeiras do Chega como a “ideologia de género, a questão da família, da imigração”. “Há um caminho que é de convergência na lógica do dr. Pedro Passos Coelho. Talvez essa convergência permita um candidato presidencial. Porque não Pedro Passos Coelho?”, questionou.`»

08 abril 2024

Cada vez mais à direita

 

As boas companhias
de Passos Coelho

«O  livro chama-se “Identidade e Família” e reúne contributos de dezenas de pessoas da direita conservadora (no sentido de ‘não liberal’), alguns dos quais ex-ministros, ex-líderes partidários, ex-deputados, entre outras personalidades que tentam influenciar há anos o pensamento político das direitas. É o caso de Bagão Félix, um dos organizadores, César das Neves, Jaime Nogueira Pinto, Ribeiro e Castro, Manuel Monteiro. Tem a benção do Cardeal Manuel Clemente, assim como de outros membros do clero. E acaba por se afirmar como uma espécie de manifesto anti-progressista.»

«Ex-primeiro-ministro apresenta “Identidade e Família”, um livro que reúne 22 contributos da direita mais conservadora, contra a “destruição da família” tradicional. Textos falam da imposição de uma “ideologia de género” como “modelo de pensamento único”, de “disforia de género associada a várias patologias psiquiátricas”, de “senhoras, alegadamente tiranizadas, que nunca se queixavam” e do “direito à resistência” face à transformação do aborto e da eutanásia em direitos".» (EXPRESSO) 

06 abril 2024

O reacionarismo de uma decisão

Nem  mais

Pacheco Pereira no «Público»

«Mas a decisão (do Governo de substituir o novo logotipo) é mais importante do que possa parecer, para que seja conveniente minimizar. Ao escolher fazer isto em primeiro lugar, o Governo quis dar um sinal, um sinal de ruptura, um sinal ao Chega, um sinal sobre o local onde se quer colocar. E sinais e símbolos são
muito mais eficazes e empáticos do que medidas governamentais, para dizer ao que se vem ou para onde se vai.»

Porque hoje é sábado ( )

 Melissa Aldana

Sempre com o povo palestiniano

 Hoje

05 abril 2024

Elogio da selvajaria

 O FMI sempre
igual a si próprio

FMI considera "impressionante" progresso na Argentina com
governo de Milei em 2024

(DN)

04 abril 2024

Perdoados e reabilitados

 Um livro muito
interessante e esclarecedor

Edição da Casa das Letras
Em 1968, o chancelar alemão Kurt Georg Kiesinger foi esbofeteado em público, perante as câmaras de televisão, por uma jovem e atraente caçadora de nazis chamada Beate Klarsfeld.

O momento seria o princípio do fim da carreira de um dos muitos cúmplices de Adolf Hitler que, apesar do seu currículo maldito, triunfaram de forma retumbante no pós-guerra. Mas ao contrário de Kiesinger, denunciado nesse instante de vergonha pelos seus antecedentes sombrios, muitos outros destacados nazis mantiveram-se impunes e não encontraram obstáculos à sua ascensão, fosse na própria Alemanha, fosse em países vencedores do conflito como os Estados Unidos.

Reinhard Gehlen, criminoso de guerra e responsável pela inteligência militar na frente leste, fundou e dirigiu os serviços secretos da República Federal Alemã. Adolf Heusinger, chefe de operações no alto comando das forças armadas de Hitler, alcançou a presidência do comité militar da NATO.

Ernst Achenbach, grande angariador de fundos para o Partido Nacional Socialista e organizador do saque à economia da França sob ocupação, esteve à frente da comissão dos Negócios Estrangeiros do parlamento germânico e chegou até a ser indicado para comissário europeu.

Rudolf Diels, primeiro chefe da Gestapo, membro das SS e figura envolvida no incêndio do Reichstag em 1933, acontecimento decisivo para consolidar o poder nazi, foi contratado pela CIA como caçador de comunistas.

Otto Skorzeny, protagonista de numerosas operações especiais rocambolescas, entre as quais o rapto de Mussolini de uma fortaleza inexpugnável, tornou-se espião ao serviço de Israel, personificando uma das reviravoltas mais insólitas e irónicas deste conjunto de figuras.

E há ainda os casos de Albert Speer, Wernher von Braun e Friedrich Paulus, entre outros militares, políticos e espiões que ocultaram o seu currículo manchado de sangue para renascer das cinzas do Terceiro Reich ou que, bem pelo contrário, se serviram precisamente da experiência adquirida no regime nazi para triunfar num tempo que estende os seus tentáculos até aos dias hoje, de forma frequentemente inesperada…

Éric Branca, jornalista e historiador francês, desmonta de forma implacável o percurso de uma galeria de personagens negras nesta saga que se lê com sofreguidão.

03 abril 2024

Sobre a milonga do «líder da oposição»

 Reconhecimento de 
um clamoroso fracasso

Imitando o que centenas de jornalistas, comentadores e outros opinantes quotidianamente despejam sobre as nossas meninges, Henrique Monteiro escreveu no «Expresso» que «No caso português, em que tanto o líder do partido mais votado, como o do segundo mais votado foram eleitos deputados, o caso é simples: Pedro Nuno Santos, e apenas Pedro Nuno Santos (salvo se o PS em algum momento designasse outro secretário-geral) é efetivamente o líder da Oposição ».

Sucede que, sem que até hoje alguém me tenha explicita ou implicitamente contestado, em 17 de Novembro de 2006, ou seja há mais de 17 anos, publiquei no «Público» um artigo intitulado «Líder de quê?» (*) em que desbaratava aquela velha falsificação, sublinhando sobretudo que o PCP se considera e é um partido da oposição que se lidera a si próprio e que não passou procuração a ninguém para o liderar.

(») Os cinco leitores interessados podem encontrar esse artigo aqui (os exemplos de nomes referidos no artigo correspondem obviamente àquela época de 2006).

Uma forma de assinalar a posse do Governo do PSD

 

«Quem tem vergonha 
da sua história?»

Pedro Tadeu no «DN»

«Estive a ler um documento partidário que muito me impressionou, um programa político para a governação de Portugal que tem esta máxima: “Não há verdadeira democracia sem socialismo, nem socialismo autêntico sem democracia.”
Concordo.
O texto critica o capitalismo, embora assinale a sua capacidade de “expandir a produção a um ritmo extraordinário” e de ir “criando as condições de satisfação das necessidades humanas numa escala nunca atingida”. Porém, o mesmo texto não se esquece de que “o capitalismo multiplicou por toda a parte as desigualdades, a dependência económica e política, a alienação e a desagregação sociais. E ameaça o futuro da Humanidade através do rápido esgotamento dos recursos naturais, da destruição da natureza e da poluição do ambiente”.
Concordo. (...)

Afirmando-se a favor da paz, este documento “admite a adesão à NATO apenas enquanto não estiver institucionalizado um novo sistema internacional e multilateral de segurança. Entretanto, a contribuição portuguesa financeira e humana deve diminuir progressivamente”.
Concordo. (...)
«Acontece, porém, que este programa partidário está disponível no site  o PSD, o partido dominante no novo Governo que tomou ontem posse, liderado por Luís Montenegro. 

O PSD de 2024 propõe-se combater qualquer ideia socialista para Portugal, pretende dar mais liberdade ao capitalismo, acredita na falácia de que a um maior crescimento da economia corresponderá uma maior distribuição de riqueza, quer reforçar o orçamento militar para a NATO e quer tirar o Estado da economia.
O partido de Luís Montenegro é o mesmo partido deste programa político que Sá Carneiro, Francisco Balsemão e Magalhães Mota subscreveram em 1974, no então recém-fundado PPD, o antecessor do PSD.
Como lidam os, nominalmente, sociais-democratas com tamanha contradição com o passado? Será que alguém deste Governo leu esse programa do PPD? Será que alguém, no passado, andou a enganar alguém? Será que alguém, no presente, anda a enganar alguém? Será a História ou é o presente que os envergonha? »

O Pedro Tadeu não mo pediu mas eu respondo a uma destas perguntas: sim, a explicação está em que alguém no passado andou a enganar alguém encostando-se ao ambiente político da época.

02 abril 2024

Património do povo português

 Fez hoje 48 anos e
merece ser mais aplicada
 e respeitada



Não querias mais nada ?

 Resumo do discurso
 de Montenegro

O que desejo e espero é que a oposição faço tudo o que eu quero.

Descaramento

Nos 50 anos
do 25 de Abril, uma
absolvição do Estado Novo

"É absurdo e factualmente falso dizer que a
culpa do atraso do país em 1974 era do Estado Novo”

«Podemos considerar cenários em que uma democracia mais precoce talvez tivesse desenvolvido ainda  mais o país, e de resto considero alguns cenários desse tipo no meu livro. Mas isso é diferente de se dizer que a culpa do atraso do país em 1974 era do Estado Novo. Isso é absurdo e factualmente falso. Tem a mesma validade científica de se dizer que a terra é plana».
Nuno Palma. historiador económico, no DN

Espantoso ! Ficamos sem saber se a culpa do atraso nacional em 1974 (analfabetismo de adultos, bairros de lata, miséria nos campos do sul and so on ) foram afinal obra dos democratas e antifascistas.

29 março 2024

O que haverá agora para comprar ?

Nuno Melo na Defesa
 ou a experiência do CDS
 na compra de submarinos

Wikipédia : «O caso dos submarinos refere-se a um caso de corrupção em Portugal relativo ao processo de um concurso público para aquisição de dois submarinos da classe Tridente realizado em 2004 pelo XV Governo Constitucional de Portugal ao Germain Submarine Consortium. Este caso está relacionado com corrupção, tráfico de influências e financiamento ilegal de partidos políticos,[1] em que o contrato de venda, no valor de 880 milhões de euros, terá sido conseguido através de subornos e de negócios de consultoria falsos.[

28 março 2024

Queques e direitolas

 Mas que raio de liberais !

Rui Rocha defende que 25 de Novembro "merece ser valorizado" e vai propôr comemorações na AR


«Para a IL, a data deve ser assinalada com o “mesmo entusiasmo” que o 25 de Abril e, por isso, adiantou, o partido vai propor na conferência de líderes e na AR que o 25 de Novembro seja integrado nas comemorações dos 50 anos da democracia. (TSF)

Em tempos eu já aqui disse que a IL em termos económicos e sociais era a verdadeira extrema direita. Mas agora com esta proposta também em termos de valores democráticos se aproxima do reaccionarismo mais flagrante como se vê por este desaforo de querer juntar as comemorações oficiais dos 50 anos do 25 de Abril com o 25 de Novembro. Não tenho outro remédio do que lançar à IL um desafio que já aqui estampei diversas vezes: convoquem antes uma grande manifestação este ano para 25 de Novembro e exactamente para a Avenida da Liberdade para se poder fazer a comparação.

27 março 2024

Gente esperta

 E como está a dar
lucros vão privatizá-la




Já começámos a trabalhar

 


Sentido de Estado

 Um acto de justiça


«As primeiras palavras de Aguiar-Branco foram para o deputado do PCP António Filipe, que assumiu o cargo de forma provisória. Para Aguiar-Branco, o deputado comunista assumiu o cargo com "elevada competência, sentido de estado e dignidade".» (Público»)


25 março 2024

Inquérito que é uma excelente noticia

É entre os jovens
que o legado
do 25 de Abril
é mais valorizado


Os portugueses fazem uma avaliação maioritariamente positiva do 25 de Abril de 1974, mas não há uma camada de população que olhe tão favoravelmente para as consequências da revolução como a dos jovens. Desafiados a reflectir sobre como é que aquele dia deve ficar assinalado na história, 73% das pessoas com idades entre os 16 e os 34 anos responderam num inquérito que foi um evento com consequências “mais positivas do que negativas”. Esta opinião não é tão alargada noutros grupos etários.  (Público)

22 março 2024

Magnifico

 Estudantes em luta
com Abril nos cartazes

Milhares de estudantes universitários marcharam esta quinta-feira pelas ruas de Lisboa, provenientes de vários pontos do país, em protesto contra a dificuldade dos jovens adultos em arranjar uma casa acessível enquanto estudam. Entre capas negras traçadas de luto, cravos em punho e faixas alusivas ao 25 de Abril, não faltou simbolismo nos gritos dos jovens, que exigiram ao próximo Governo que tenha como prioridade os problemas no alojamento estudantil

(Expresso )

19 março 2024

No «Público»


É preciso ampliar a
condenação universal de Israel


Já foram mortas mais

de 13 mil crianças em Gaza,

 diz a ONU

18 de Março -Público

16 março 2024

Como elas se fazem

 Acertadas palavras

Pacheco Pereira no «Público»

(..)«A politização do jornalismo nem sempre é resultado da volição política do jornalista; pode ser um efeito do rebanho ou da alcateia, mas é hoje tão comum que ninguém diz “Pára aí” ou “O rei vai nu”. A profunda identidade entre os relatos jornalísticos e a agenda da direita foi evidente quanto à “crise dos serviços públicos”. Significa que houve “crise”? Sem dúvida, mas teve o alcance dramático com que se relatou? Não. Usaram-se muitas vezes casos pontuais para “alimentar”, dia após dia, a ideia da “crise”? Sim. As estatísticas mais sérias e sólidas confirmavam a agudeza da “crise”? Não. Esteve sempre presente a ideia às claras ou subliminar de que a “crise” se devia à “ideologia estatista” contra os privados? Claro que esteve, é aí que os jornalistas politizados saem do seu casulo matinal para disseminar as suas posições políticas como comentadores e que, se fosse num país anglo-saxónico, se identificariam como apoiantes de A ou B, para que o que dizem trouxesse a tão falada transparência. E muitos dados pertinentes, como seja a comparação entre os tempos de espera dos hospitais privados e os públicos, nunca tiveram nenhum papel na “informação”..

15 março 2024

E o PAN diz-se de «centro-esquerda» !

No continente muita 
garganta, nos Açores abstém-se

Aprovado Programa do
Governo dos Açores.
Chega, PAN e IL abstiveram-se


13 março 2024

A IL já acha que o futuro não é risomho

 A IL já se está a cortar

«A Iniciativa Liberal (IL) já não deverá entrar no Governo (*)da Aliança Democrática. Depois de na campanha terem sido dados vários sinais no sentido de um entendimento de Governo, a Iniciativa Liberal entende que defende melhor o partido ficando de fora . » (MSN)

(*)nem fazer acordos de incidência parlamentar

12 março 2024

Fala um chegófilo

Quais mudanças estruturais ?

«Ele ( Luis Montenegro ) vai estar a empenhar todas as suas energias na construção de um governo condenad0 quando podia estar a negociar mudanças estruturais  com o  Chega. Para honrar uma promessa que jamais deveria ter feito, irá prejudicar o PSD e, de caminho, o próprio país.»

- João Miguel Tavares no «Público»

11 março 2024

Balanço mínimo

Vitória tangencial da AD,
assustador avanço do Chega,
 larga maioria AD+IL+Chega,
fraco resultado da CDU - eis
 quatro factos que ensombram 
 os 50 anos do 25 de Abril

 


10 março 2024

É sempre a mesma coisa

Há órgãos de informação
 que ainda não perceberam
que as regras do «dia de
reflexão» também se aplicam,
 por maioria de razão,
ao dia da votação

No DN online um «guia» para as eleições é ilustrado com duas grandes fo os de Montenegro e Pedro N. Santos. E nas televisões há repórteres que fazem perguntas a políticos que são um convite descarado a que também violem as regras.