30 abril 2017

Em Lisboa, 14.30 hs., Martim Moniz

Amanhã é
aquele sublime dia

do trabalho e dos trabalhadores 

 (clicar para aumentar)

É demais !

A desonestidade 
de Vicente Jorge Silva


Na sua coluna dominical do Público, Vicente Jorge Silva desfere hoje uma catilinária doentia e tresloucada sobre uma alegada posição de Mélenchon sobre a segunda volta das presidenciais francesas, procurando sobretudo atingir o PCP e o Bloco, como se vê por este dementado parágrafo: «  Seguindo na esteira de Mélenchon que, obnubilado pelo seu notável resultado na primeira volta, recusou assumir pessoalmente uma orientação de voto para a segunda volta, os aliados de António Costa no governo insistiram em colocar mesmo plano [aonde, senhor Vicente ?] o europeista Macron e a xenófoba Le Pen como como se ambos fossem a mesma coisa»

Ora, para além de tudo mais que o desprezo me obriga a deixar de lado,  Vicente Jorge Silva está desactualizado e não deu por esta declaração de Mélenchon em 28 de Abril:

 (clicar para aumentar)



Ler também aqui 

Ricardo Paes Mamede no «ladrões de bicicletas»

26 abril 2017

Um livro estrangeiro por semana ( )

Assinalando os 80 anos
deste crime fascista 


 Editorial Comares, 752 pgs, 35 E.


Prefácio de Ángel Viñas:

En la primavera de 2012 la editorial Comares me pidió algunas sugerencias sobre libros clásicos en torno a la guerra civil que, por diversas razones, no fueran suficientemente conocidos o hubiesen totalmente desaparecido del mercado. Uno de los que se me ocurrió de inmediato fue el que se reedita ahora.
Su autor, Herbert Rutledge Southworth, fue uno de los más destacados desveladores del denso entramado de patrañas, tergiversaciones y falsas verdades que tendió el franquismo sobre la guerra civil. Ganó reconocimiento universal por la obra con que deshizo y pulverizó las manipulaciones que, con respecto a la destrucción de Guernica, mantuvo el régimen durante toda su trayectoria. Instalado en Francia, en primer lugar en París y luego en dos mansiones enormes aunque un tanto dilapidadas, en dos lugares de ensueño (una, en medio de la campiña, fue le Chateau de Roche cerca de Le Blanc, departamento de Indre, y la segunda una casona medieval en lo que suele afirmarse es uno de los más bellos pueblos franceses, Saint-Benoit-du-Sault), continuó trabajando hasta su fallecimiento en 1999, poco después de terminada una obra que le ocupó durante mucho tiempo: el desmontaje de la justificación franquista de la sublevación de 1936 para adelantarse a una presunta insurrección comunista. Se publicó a título póstumo bajo el título de El lavado de cabeza de Francisco Franco. Conspiración y guerra civil.
Mi interés por el Guernica de Southworth tiene una larga historia. En abril de 1977 un grupo de historiadores nos reunimos en la villa foral en un simposio destinado a abordar la conmemoración del bombardeo mismo con testimonios de testigos presenciales en el cuadragésimo aniversario de la catástrofe. Aquel simposio se encuentra muy lejos tanto en el tiempo vital, menos en el tempo histórico. Entonces, hace treinta y cinco años, la transición política estaba en sus comienzos. Se divisaban, cierto es, señales innegables de apertura. El Partido Comunista, gran ogro del franquismo, acababa de ser legalizado, no sin cierta agitación entre los anquilosados mandos de las Fuerzas Armadas. Las primeras elecciones generales, con el pulso titánico subyacente entre reforma y ruptura, no estaban lejanas.
A su manera, el simposio, envuelto en un masivo ondear de ikurriñas, fue también un signo de la incipiente transición. Fue la primera vez que un acontecimiento así se había organizado en Euskadi. Para Herbert Southworth, y Suzanne, su esposa, fue un momento emocionante que rememoraron, y rememoramos, durante muchos años. También fue el primero de los grandes abrazos públicos que Herbert recibiría en la naciente España democrática. Hubo otro, del que también fui testigo: la presentación en 1986, en el Paraninfo de la Universidad de Barcelona, de la reedición, impresa en la Ciudad Condal, de su primer libro, El mito de la cruzada de Franco.
Esta obra había puesto el nombre de Southworth en las bibliotecas de todos aquéllos que en la oposición comunista, socialista, nacionalista o simplemente antifranquista se negaban a comulgar con las ruedas de molino de las interpretaciones seudo-históricas de la guerra civil. Hasta su aparición en 1963 la sedicente historia del conflicto la habían ido produciendo con honores, ya que no con dignidad, policías, soldados, libelistas, académicos y autores complacientes, a la mayor gloria del Caudillo y de sus fantasmas. Correspondió al profesor Gabriel Jackson y a quien estas líneas escribe hacer la presentación formal en Barcelona de una obra que, en puridad, no requería presentación pero que ya no se encontraba en el mercado, agotada como estaba la edición publicada casi veinticinco años antes por Ruedo Ibérico.
Recuerdo vividamente la escena, para mi inolvidable. Herbert hablaba castellano con ritmo lento y pausado, con vocales alargadas, que delataban su origen en el sur de los Estados Unidos. En aquella ocasión, las pausas se hicieron a veces interminables. Yo me preguntaba: ¿estará a punto de darle un desfallecimiento? No. Eran el producto de una emoción intensa, difícilmente contenida.
El simposio de Guernica y la presentación en Barcelona fueron, me atrevo a asegurar, dos momentos culminantes en la trayectoria como historiador de Herbert Southworth. Y como correspondía a tal autor no implicaron ni honores académicos ni condecoraciones, ni premios ni diplomas. Denotaron, simplemente, un reconocimiento público a sus esfuerzos por introducir un rayo de verdad que atravesara la tupida red de mentiras tramada por la dictadura.

     

0 25 de Abril nas capas dos jornais

Palmas para o JN,
vergonha para os outros




Excepção feita ao JN, todas as outras
chamadas se referem à cerimónia na AR

25 abril 2017

O «slogan» é antigo mas gostamos muito dele





O fascismo não deixou que eu e muitos outros vivessem esse dia luminoso, mágico, arrebatador e carregado de futuro. Mas. de verdade, isso não tem importância nenhuma. A partir da uma da manhã de dia 27, todos desaguámos na maré popular que, durante quase dois  anos, construiu com extraordinária dedicação, imensa criatividade e uma bela paixão colectiva a sempre gloriosa Revolução  de Abril.
Já passaram 43 anos mas os seus valores e realizações ainda estão na nossa pele, no nosso coração e na nossa alma  e ainda estão sempre a inspirar as nossas lutas de hoje.

24 abril 2017

Cada terra com o seu uso

Eles devem estar habituados
mas a mim faz-me confusão



secção de voto em Estrasburgo em 23 de Abril

Já tinha reparado nisto aquando das últimas legislativas em França. Lá não existe um boletim de voto com todos os candidatos mas sim um boletim para cada candidato. E os eleitores escolhem o boletim do seu candidato à vista de toda a gente.

Já agora sobre o drama dos mal inscritos ou não inscritos ler aqui

votantes da 1ª volta

Sociologia eleitoral
(estudo à boca das urnas)                                                      

  clicar para aumentar



  ver mais aqui

23 abril 2017

1ª volta das presidenciais francesas




Et maintenant, vitória de Emmanuel Macron,um neo-liberal de quatro costados sobre a neo-fascista  Marine Le Pen (mais 4 pontos que em 2012) que seguramente perderá na 2ª volta para Macron.  Resultado muito honroso para Melenchon, o candidato que o PCF apoiou (sobe 8 pontos em relação à presidencial de 2012). François Fillon alcança  um resultado que é um dos mais baixos da direita francesa desde 1968. Severíssima humilhação para o  PS, cujo candidato - B. Hamon - obtém cerca de 6%, ou seja, um resultado parecido com a célebre catástrofe de Gaston Deferre em 1969 (5,01%). Pela primeira vez, nenhum dos candidatos das duas principais forças políticas - direita (agora Republicanos) e PS - passa à segunda volta.
Muitíssimo mais do que quem ganha à segunda volta, todas as interrogações - e mais do que justificadas - vão centrar-se nas legislativas de Junho e na forma como o sismo de hoje se reflecte nessa batalha eleitoral (com um íniquo sistema eleitoral maioritário a duas voltas) .

Transferências de votos para
a 2ª volta segundo uma sondagem
antes da
votação de hoje

 a cinzento - abstenção

1ª página de «L'Humanité»
de amanhã





No «El País» de ontem

Os limpíssimos métodos
do governo Temer



______________________________________



22 abril 2017

Porque hoje é sábado ( )

Evan Parker


A sugestão musical deste sábado vai para o 
saxofonista britânico Evan Parker.


Imperdível !

Regresso a um
relatório da OCDE de 1996
( com um obrigado ao Manuel Jorge veloso)
«Conseils aux gouvernants du Sud et du Nord pour affaiblir le syndicalisme
“ Si les salariés des entreprises parapubliques sont bien organisés, ils peuvent s’opposer efficacement à la décision du gouvernement (de privatiser ou de licencier massivement, NDR). Toute politique qui affaiblirait ces corporatismes (à noter que Morrisson utilise le terme “ corporatisme ” pour désigner manifestement le mouvement syndical, NDR) serait souhaitable : d’un point de vue économique, cela éliminerait des entraves à la croissance et, politiquement, le gouvernement gagnerait une liberté d’action qui peut lui être précieuse en période d’ajustement. On objectera que cette politique soulèvera des résistances mais il vaut mieux que le gouvernement livre ce combat dans une conjoncture économique satisfaisante qu’en cas de crise lorsqu’il est affaibli. Cette politique peut prendre diverses formes : garantie d’un service minimum, formation d’un personnel qualifié complémentaire, privatisation ou division en plusieurs entreprises concurrentes lorsque cela est possible. ” (ibidem, p. 23).

na íntegra aqui

Rede bombista de 1975 e 1976

Não esquecemos
e não perdoamos !


21 abril 2017

Notícias pouco claras

 A ver se nos entendemos

DN
Sobre isto, apenas quatro esclarecimentos:

Goste-se ou não, a verdade é que o Programa de Estabilidade e Plano Nacional de Reformas não têm que ser votados no Parlamento.

 O que o CDS (que, tal como PSD, tinha era todas as razões para votar este PEC) apresentou foi um projecto de resolução mas convém lembrar que os projectos de resolução, mesmo que aprovados, podem ter significado e impacto político mas não obrigam juridicamente nenhum governo a respeitá-los.

Este projecto de resolução do CDS não tem nada que ver com convicções, antes é inteiramente do domínio da chicana e do mais desbragado tacticismo.

Além do mais, por maior que seja a oposição, e é, do PCP ao «Programa de Estabilidade 2017-2021», creio ser inteiramente compreensível que o PCP nunca podia votar favoravelmente um projecto de resolução que reclamava a adopção e "intensificação" pelo actual governo «das reformas estruturais [é favor acrescentar aspas] adotadas pelo anterior governo» que bem sabemos o desastre que despejaram sobre os portugueses e o país.

Não adianta assobiar para o lado

Não, não é um
economista comunista



«(...) Por conseguinte, dado esse contexto e essa estratégia apresentada aos portugueses, parece ser um lapso o Programa de Estabilidade 2017-2021 apresentado a 13 de Abril pelo Governo.
Isto porque o Programa de Estabilidade 2017-2021 abandona a estratégia inicial e vai muito para além do exigível pelo Tratado Orçamental, apresentando uma trajectória de consolidação orçamental ambiciosa, com o saldo orçamental global e primário (antes da despesa com juros) a atingir 1,3% e 4,9% do PIB em 2021, respectivamente.

Por um lado, o objectivo de médio prazo definido pela Comissão Europeia (CE) em 2015 para o período até 2018, de um saldo orçamental de +0,25% do produto potencial é discricionário, questionável, não mensurável e, curiosamente, o segundo valor mais elevado imposto a qualquer país membro da zona euro (não era conhecido o objectivo para a Grécia). Afigura-se, por isso, que não faz sentido que o Governo defina objectivos tão ambiciosos para o saldo orçamental em 2019, 2020 e 2021 uma vez que a CE fará a revisão dos objectivos de médio prazo em 2018.

Por outro lado, considerando que a execução orçamental de outros países membros é muito pior do que a portuguesa e considerando ainda os processos eleitorais em curso em vários países membros, o objectivo definido para o saldo orçamental pela CE até 2019 dificilmente será respeitado por todos, pelo que seria razoável que o Governo apresentasse uma proposta de base o mais afastada possível da posição da Comissão Europeia para que, do processo negocial, resultassem objectivos para a consolidação orçamental menos ambiciosos, na continuação da estratégia orçamental adoptada pelo Governo nas negociações do OE2016.
Acresce que a melhoria do saldo estrutural em 2018, 2019 e 2020 de 0,6 ou 0,5 pontos percentuais do PIB, apresentadas no Programa de Estabilidade 2017-2021 é superior à proposta no Orçamento de 2017 e às registadas em 2016 e 2015.
Por último, o Programa de Estabilidade 2017-2021 inclui uma simulação a 20 anos da trajetória da dívida pública com base no saldo primário que se projecta para 2021 (+4,9% do PIB) dando a entender que seria essa a estratégia do Governo após 2021. Se assim fosse, o Governo português iria muito para além do que poderia ser a interpretação mais restritiva das regras do Tratado Orçamental.
Ou seja, o Governo presta-se a ser acusado, como o Governo anterior, de querer ser um “bom aluno” e de querer ir muito além da troika.
O Programa de Estabilidade 2017-2021 não aproveita a folga que existe, em larga medida determinada por condições externas extraordinariamente favoráveis, para inverter a estagnação que se arrasta há já quase duas décadas. A procura interna somente em 2016 atingiu o nível de 1999, em termos reais! Toda uma geração alterou as suas expectativas, acomodando-se a baixas expectativas, aceitando pensar que um salário de 1000 euros é o melhor a que pode aspirar na vida; que os seus filhos terão sorte se viverem tão bem como os pais, porque o mais provável é viverem pior.
Os portugueses mereciam, por conseguinte, que o (Governo) PS mantivesse a promessa que fez, enquanto o PS era oposição, de uma política orçamental (e de um Programa de Estabilidade) mais ambicioso e visionário.»

Quem tiver acesso, pode ler aqui
a crónica integral no Público

Tempo de palavra

Filhos e enteados 
nas presidenciais francesas
 

 

 

20 abril 2017

Piada cordial a um ilustre poeta

Última hora: o Papa já não
vem a Fátima a 13 de Maio !


O estimado e valioso poeta Nuno Júdice escreve hoje no Público, numa peça sobre o «Portugal futurista», que «a juntar a isto, tinham-se dado as primeiras aparições de Fátima, em Outubro de 1917, coincidindo com a Revolução de Outubro na Rússia »

16 abril 2017

Bem vistas as coisas

48,8% - um extraordinário
resultado do «não» numa Turquia amordaçada e intimidada

 
Sim, sim e sim: 48,8% de «nãos» num país com milhares de presos políticos. dezenas e dezenas de órgãos comunicação fechados e com o seu consequente ambiente geral de medo e intimidação é obra e diz muito.

13 abril 2017

Uma inestimável contribuição para a verdade



ler entrevista aqui

Banca, banca, banca !

Por este caminho,
estamos feitos ao bife


A este respeito, é oportuno lembrar que, durante décadas, os bancos pagaram uma taxa de IRC inferior à taxa de IRS paga pela maioria dos contribuintes. Enfim, estamos a viver um novo, esplendoroso e empolgante desígnio nacional: tudo pela banca, nada contra a banca.

12 abril 2017

Em defesa de Trump

Um homem, mesmo
Presidente dos States,
não pode saber tudo !

Definitivamente, hoje não venho para aqui gozar com o homem quer em novo tinha o cabelo castanho que depois, coisa rara, evoluiu para cor de laranja por ele, na sua casa, perdão. na Fox News, ter confundido a Síria com o Iraque.
De facto, Trump merece neste caso todas as indulgências. Começa que ele vive num país onde os conhecimentos de geografia nunca foram os normais pois, aqui há uns bons anos, até havia inquéritos que mostravam que mais de metade dos jovens americanos nem sequer eram capazes de apontar o seu país num globo terrestre.
Depois, deixem-se lá de coisas, aquilo é mesmo uma "ganda confusão: Síria, Iraque, Irão (Trump deve chamar-lhe Pérsia por causa daquele jogo «Prince of Persia»), Arménia, Tetchénia, Crimeia, Ucrânia and so on.
Compreende-se pois que Trump dispare primeiro e só depois pergunte sobre que país foi porque ele sabe que o complexo militar-industrial nunca  nunca colocará nas armas que fabrica um mecanismo de boomerang.




11 abril 2017

Armas químicas na Siria

Outros factos e outras
opiniões que questionam
as "verdades" oficiais
(...) (2) Extremists were responsible for the August 2013 Chemical Weapon attack in Damascus.  
Western supporters of the armed opposition were quick to blame the Syrian government for the chemical attack in Ghouta on 21 August 2013. However, subsequent investigations by the most credible investigative journalists and researchers concluded the Syrian government was probably NOT responsible.
Seymour Hersh and Robert Parry concluded the attack was most likely carried out by militants with support from Turkey. The in depth examination titled WhoGhouta concluded “The only plausible scenario that fits the evidence is an attack by opposition forces.” An MIT study made a detailed trajectory analysis, concluded that the missile could not have been fired from government territory and warned “Faulty intelligence could have led to an unjustified US military action.”

Armed Opposition Groups have a history of Staging Incidents
From the start, the Syrian conflict has included an information war. Hillary Clinton boasted of “training for more than a thousand activists, students and independent journalists.”  In December 2012, NBC journalist Richard Engel was reportedly kidnapped and abused by “shabiha” supporters of the Syrian government. Engel and his film crew were “liberated” by Free Syrian Army rebels after a gunfight with the Assad supporting kidnappers. In reality, the entire episode from kidnapping to rescue was a hoax designed to demonize Assad supporters and glorify the “rebels”. The true story emerged years later after the actual events were leaked. When it was going to be made public, Engel finally admitted the truth.

(4) Supporters of the armed opposition have a history of fabricating stories which demonize the Syrian Government.
In February 2014, it was announced that a defecting Syrian military photographer, who was anonymous but code named “Caesar”, had 55 thousand photos showing the torture and murder of 11 thousand innocent Syrian civilians.  This news received sensational media attention with live interviews on CNN and front page coverage throughout the western world. The news relied on the judgment of legal prosecutors who “verified” the story and produced a “Caesar Report”. This was released the day before the start of Geneva negotiations. It effectively disrupted the talks and facilitated the “rebels” refusal to negotiate and walk away. In reality, the “verification” and report was commissioned by the government of Qatar which has been a major funder of the armed opposition. Since then it has been discovered that nearly half the 55 thousand photos show the opposite of what was claimed: they show dead Syrian soldiers and victims of explosions NOT tortured civilians. That is just one of the findings confirming the fraud involved in this sensational story. A concise expose of “Caesar” is here.

How the Public has been Misinformed on Syria

Historian and journalist Stephen Kinzer has said, Coverage of the Syrian war will be remembered as one of the most shameful episodes in the history of the American press.” (...)

Texto completo 

(8 páginas) aqui

Boeing, Boeing !

As mortes dos outros
estão muito caras !

Em português, 5 mil milhões de dólares !. Diz o «Boston Globe» que foi à tumba de Milton Friedman recolher a sua opinião e que este limitou-se a sussurrar: « não estou nada ralado que os mortos tenham sido tão poucos, morto já estou eu, desta racionalidade económica gosto».

10 abril 2017

Tal como sobre a Libia

Tudo se resume a «feelings»


Rui Tavares no Público de hoje

Em suma, não houve, nem haverá porque o Daesh nunca deixará, inquérito da ONU sobre os factos no terreno mas Rui Tavares está «convencido» disto e daquilo e atribui «alta probabilidade» a isto e aquilo, no que é aliás acompanhado por meio mundo. Já eu, pobre de Cristo, não sei nada nem estou convencido de nada. Nem sequer que Rui Tavares vá finalmente escrever uma crónica sobre os inocentes que já morreram na ofensiva contra Mossul.