19 fevereiro 2017

E ao sétimo dia ressuscitou

Afinal a batalha pela
conquista de Mossul existe !


Após pelo menos dois meses de silêncio mediático quase absoluto, designadamente durante todo o tempo que durou a batalha por Alepo, a batalha pela reconquista de Mossul parece ter voltado a ter direito a notícias. Agora só falta que os numerosos e expeditos comentadores que tanto foram tocados pelos dramas de Alepo descubram com idêntico vigor e indignação os dramas de Mossul. Mas palpita-me que vou esperar sentado.

18 fevereiro 2017

Porque hoje é sábado ( )

Ani Cordero


A sugestão musical deste sábado vai para a cantora
norte-americana, de origem porto-riquenha,
Ani Cordero.


Mails, sms e & Cª


Ainda não vi
ninguém falar disto


É certo que sou um zero em tecnologias da informação e por isso me arrisco certamente a que este post seja visto como uma prova disso mesmo.

Acontece porém que, ao ver e ouvir a gritaria do PSD e do CDS para que sejam cedidos a uma comissão de inquérito sobre a CGD todos os mails e sms trocados entre António Domingues e Mário Centeno, me surgiu uma inocente interrogação: como é que isso faz e que garantias de autenticidade sobre os conteúdos é que existirão ?

Explicando-me melhor: como não me parece que António Domingues vá entregar o seu computador ou o seu telemóvel, na minha provável ignorância parece-me óbvio que será António Domingues a transcrever tudo isso para um documento Word (como aliás terá feito para Lobo Xavier)


E, se assim for, quem é que pode garantir que os deputados vão receber a integralidade das comunicações trocadas, isto é, sem modificações ou apagamentos de conveniência ?
P.S.: sobre as questões jurídicas levantadas por esta pretensão do PSD e CDS ler o advogado Miguel Reis aqui. 

17 fevereiro 2017

Um absoluto descaramento

Cavaco e a
«historieta de Verão»




Não, não tenciono dedicar qualquer significativa atenção ao último livro do verdadeiro traste político que é Cavaco Silva. Mas não resisto a dar alguma importância à prova noticiosa de que o sujeito não hesita em mentir descaradamente.
Com efeito, relata a reportagem do DN sobre a apresentação do livro:  " O episódio das escutas de Belém é reduzido a uma "historieta de verão", "uma intriga política insidiosa", durante as férias algarvias da família Cavaco, "alimentada por setores do PS com a participação ativa de alguns órgãos de comunicação social", com a qual quiseram envolver o Presidente "na campanha eleitoral das eleições legislativas de 27 de setembro" de 2009.»

Reparemos bem: o ex-Presidente que vem agora classificar o célebre «caso das escutas a Belém» de «historieta de verão» fez, na qualidade de Presidente da República, 29.09.2009, uma solene e indignada comunicação televisionada ao país sobre o assunto.
E, por fim, reparemos ainda mais: como ficou largamente comprovado e estabelecido na época, aquilo a que Cavaco agora chama de «historieta de verão» foi inteiramente concebido, montado e organizado a partir do Palácio de Bélem, conforme múltiplos recortes da época.




14 fevereiro 2017

Contra a corrente

Perplexidades de
um institucionalista

Comunicado do Primeiro Ministro


«Tendo lido a comunicação do Senhor Ministro das Finanças e após contacto com Sua Excelência o Presidente da República, entendo confirmar a minha confiança no Professor Mário Centeno no exercício das suas funções . »

Comunicado do Presidente da República
(:..) 5.º – Ouvido o Senhor Primeiro-ministro, que lhe comunicou manter a sua confiança no Senhor Professor Doutor Mário Centeno, aceitou tal posição, atendendo ao estrito interesse nacional, em termos de estabilidade financeira. »
Palácio de Belém, 13 de fevereiro de 2017

Quatro breves notas sobre isto:

1. Os partidos têm condicionantes nas suas posições que quem, como eu, só se representa a si próprio, não tem.

2. O primeiro-ministro e o Presidente da Repúblico podem «ouvir-se» e  «contactar-se» quanto quiserem sem necessidade de o dizerem em comunicados. Em certos casos, a transposição para esses comunicados dessas «audições» ou «contactos» pode induzir em equívocos sobre as respectivas competências constitucionais.

3. Se não estou enganado, a demissão de ministros é da exclusiva competência do primeiro-ministro, não tendo o PR qualquer meio institucional para fazer valer a sua opinião sobre demissões ou manutenções de ministros, a não ser a demissão do governo invocando o irregular funcionamento das instituições democráticas.

4. Só distraídos podem não perceber que há aspectos de funcionamento do regime que podem mudar sem necessitar de revisões constitucionais, antes bastando que entre dois órgãos de soberania - governo e PR - se junte suavemente a fome à vontade de comer.

12 fevereiro 2017

«Tanques alemães na fronteira com a Rússia» !!!

Que gritaria não haveria se,
por absurdo, a Federação Russa acordasse com o México o envio
de tropas suas para a fronteira
com os EUA


 o Globo

11 fevereiro 2017

10 fevereiro 2017

Lamento ter de o dizer

Aqui não há tempo novo,
há tempo que volta para trás




Seria uma inverdade e injustiça não admitir que, em algumas matérias,  o actual do governo do PS até rectificou algumas posições ou políticas que foram suas no passado. Mas, infelizmente, parece não ser o caso crucial da legislação laboral. Já que são surdos aos argumentos dos comunistas, podiam ao menos ter lido o Pacheco Pereira que, anos a fio, andou a explicar tintim por tintim que o eixo fundamental das políticas da troika  era desequilibrar drasticamente a favor do capital a sua relação com os trabalhadores. É desagradável mas a ser com diz esta notícia, logo nos salta à memória que um Código de Trabalho de um governo de Sócrates ainda agravou um Código de Trabalho de Bagão Félix.

07 fevereiro 2017

Foi você que pediu «um príncipe da Renascença» ?

Se for mesmo assim,
até eu tinha um belo
museu com o meu nome !



e isto para já não falar dos milhões que a CGD lhe emprestou para comprar acções do BCP.

04 fevereiro 2017