29 novembro 2013

Também sei dizer bem

Parabéns ao Público


Foto de Paulo Miguel

mas precisamos de voltar a esta 

 

Olha, mais um

A "Europa connosco" - versão 2013

O sujeito proferiu esta declaração de amor aos trabalhadores portugueses, que por isso lhe ficarão eternamente gratos, mas não é de excluir que, como quase todos os governantes portugueses e quase todos os economistas da situação, um dia destes, para compor a imagem, esteja num qualquer seminário ou conferência a postular que o desenvolvimento de Portugal não se pode basear num modelo assente em baixos salários.

Talvez também «reforma do Estado»

Vá lá, não sejam mauzinhos,
são as chamadas «políticas
activas de emprego»



Uma constante da nossa história

CTT - os trabalhadores na
vanguarda da defesa do
interesse público e nacional



 aqui

Boa altura para apontar já na agenda

Dia 8 de Dezembro:
Convenção Democrática Nacional


Em Dezembro de 2011, um grupo de 24 personalidades decidiu lançar um Apelo a todos os democratas e patriotas para que manifestassem a sua opinião e para que inscrevessem, como um imperativo nacional da sua intervenção cívica e política, a denúncia e a rejeição do programa que nos está a ser imposto. O Apelo foi subscrito por mais de 1000 cidadãos, oriundos das mais variadas áreas profissionais, políticas, sociais, culturais e religiosas.

Em resposta ao curso de evolução da vida nacional e reflectindo a opinião e vontade de subscritores e apoiantes desse Apelo, desde então realizaram-se seis debates temáticos em várias regiões do País que culminaram com a realização de uma Conferência Nacional no passado mês de Fevereiro, na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, iniciativas que contaram com mais de 600 participações.

No Manifesto ao Povo Português, aprovado na Conferência, pode ler-se: «Nós acreditamos em Portugal e nos portugueses que deram “novos mundos ao mundo”, nos portugueses que não abdicam de fazer a sua própria História e não admitem que outros a façam por eles. Nós continuamos a alimentar o sonho de um Portugal soberano e desenvolvido onde valha a pena viver. “Eles não sabem nem sonham que o sonho comanda a vida.” Mas nós acreditamos que quando um homem sonha um sonho assim, “o mundo pula e avança”. Por isso convocamos todos os democratas a intervir para tornar o sonho realidade. E o trabalho urge, porque quem espera nunca alcança.»

Porque são cada vez mais os portugueses que, compreendendo o nexo estreito entre a democracia e a soberania nacional, estão dispostos a lutar por ambas, fazendo da Constituição da República Portuguesa a bandeira da sua luta, os primeiros subscritores do Apelo decidiram e propõem dar um novo passo na mobilização dos portugueses convocando a realização de uma grande «Convenção Democrática Nacional» a realizar a 8 de Dezembro, em Lisboa. 

Será uma Convenção aberta à participação individual com o objectivo de discutir e formular um compromisso para a urgente mudança de rumo na vida e para o futuro do nosso país.»


28 novembro 2013

E esta noite a música de

The Weird Weeds















As rimas de Paulo Portas

Este senhor do fatinho
às riscas é muito injusto



Na verdade, esta irrevogável distinção entre «exportações» e «manifestações» esquece os portugueses participantes em manifestações têm desejado ardentemente exportar para qualquer lado os _ _ _ _ _ _ _ (também rima) do governo, só que não têm encontrado mercado.


Em pouco espaço

Retrato-síntese de
Portugal 2013 sob um
governo PSD-CDS




26 novembro 2013

Ainda Raquel Varela, o PCP e o 25 de Novembro

... e por isto me fico porque
basta para se ver o tipo de
truques usados pela historiadora



No «cinco dias», Raquel Varela resolveu disponibilizar o capítulo do seu livro «O PCP na Revolução dos Cravos» referente ao 25 de Novembro. Por falta de tempo e de alguns materiais de consulta imediata, não é este o momento para demonstrar que esse texto de Raquel Varela está ensopado em truques indecentes que vão desde citações que propositadamente se ignoram, até outras que são propositadamente salteadas para criar inferências abusivas passando por linhas em que  as palavras e caracterizações são da historiadora mas um leitor que não esteja vigilante às aspas ou à falta delas fica a pensar que são do PCP, e isto para já não falar nas constantes deduções que a autora debita sem qualquer apoio fundamentado.
Bastam duas afirmações de Raquel Varela para que muitos leitores percebam como é difícil e penoso discutir com pessoas que usam semelhantes métodos.
Em concreto, afirma Raquel Varela, invocando um editorial do Avante! de 30/11, que «neste texto, a direcção do partido dará inicio àquilo que será um volte-face  perante a esquerda militar. O partido deixará de gerir a relação com este sector de forma cautelosa para passar a combatê-lo de forma pública e aberta [*]. Começa por acusar a esquerda militar de «irresponsabilidade»; "As sublevações espontâneas dos paraquedistas mostram a profundidade dos sentimentos de indignação contra métodos administrativos da direita. Ao mesmo tempo que manifesta a sua solidariedade para com os militares revolucionários e progressistas que lutaram e lutam ao lado do povo  trabalhador, em defesa da revolução, o PCP atribui graves responsabilidades nos acontecimentos a certos partidos, grupos e sectores esquerdistas irresponsáveis que, julgando poder brincar-se as insurreições e à tomada do poder, comprometeram uma solução política pela qual o PCP se tem batido insistentemente e conduziram ao desastre alguns sectores militares». [não vá alguém fazer confusão, chamo a atenção para todo o texto com fundo branco é retirado das pags. 347 e 348 do livro de R.V.].
E, aqui chegados, façam os leitores o favor de ver se no texto a azul (do PCP) alguma vez encontram a expressão «esquerda militar» por duas vezes usada no texto a castanho (da autoria de Raquel Varela).
O segundo exemplo pode ser dado pela afirmação de Raquel Varela, agarrando-se como uma lapa à ausência de uma palavra, de que «em 1975 e 1976, o acontecimento não é considerado [pelo PCP] um golpe, mas sublevações militares de esquerda irresponsáveis».
Ora, se Raquel Varela fosse capaz de atender mais à substância e menos à forma devia ter reparado no que Álvaro Cunhal escreveu em «A Revolução Portuguesa - o passado e o futuro» (Nov. 1976) : « Na verdade, não houve da parte da Esquerda, nem golpe nem tentativa de tomada de poder. Numa situação caracterizada por gravíssimos conflitos e lutas nas forças armadas, o 25 de Novembro, com as sublevações militares dum lado e as operações cuidadosamente preparadas contra a Esquerda do outro, insere-se ainda no processo de contestação de comandos, por lugares de chefia, de alteração da influência política predominante nas unidades militares , a fim de provocar um desequilíbrio de forças e uma modificação nos órgãos de direcção. Se o 25 de Novembro prova alguma coisa acerca da preparação militar anterior para uma acção militar de âmbito nacional, não foi da parte da Esquerda militar (ainda menos do esquerdismo, reduzido à impotência da anarquia e da contestação) mas da parte de forças e sectores aliados contra a Esquerda militar».
Muitos mais exemplos se poderiam dar da ligeireza e má-fé de Raquel Varela (gravíssimo também que venha dizer que o PCP "apoiou" a "reposição da hierarquia nas Forças Armadas e o fim do MFA", como se não fosse um facto objectivo que a esquerda militar infelizmente saiu do 25 de Novembro praticamentemente destroçada, marginalizada e perseguida e como se fosse honesto transformar uma constatação óbvia num «apoio»). Mas, como já insinuei, há limites para a paciência.

[*] Bastaria os leitores recordarem-se de alguns dos nomes mais conhecidos da esquerda militar para saltar à vista como é totalmente absurda e infundada esta afirmação de R.V. de que o PCP passou a combater «de forma pública e aberta» a esquerda militar !

No dia da aprovação do Orçamento...

... é bom que se conheça isto



Porque todo o discurso do governo, dos partidos do governo e dos seus apoiantes nos media se baseia sempre na ideia de que a oposições não apresentam alternativas e sobretudo nunca apresentam propostas para o aumento da receita, aqui ficam as que, nesse sentido, o PCP apresentou e foram todas chumbadas:

«(...) Estas propostas do PCP [de desagravamento fiscal] representam uma significativa redução da receita fiscal do Estado, que é, contudo, mais do que compensada pelas seguintes propostas que incidem sobre os lucros e as rendas da banca e dos grandes grupos económicos, assim como sobre os rendimentos mais elevados:
9) Limitação do pagamento dos juros da dívida pública a um montante máximo correspondente a 2,5% do valor das exportações de bens e serviços, acompanhado da exigência da renegociação da dívida nos juros, prazos e montantes. Tal limitação, correspondendo em 2014 a 1.660 milhões de euros, assegura que o País paga a dívida pública sem empobrecer, à medida das suas reais possibilidades. Simultaneamente, o PCP propõe que, para fazer face às necessidades de financiamento do Orçamento do Estado, o Governo assegure o acesso direto do Estado Português a financiamento do Banco Central Europeu em condições idênticas àquelas que são concedidas aos bancos.
10) Anulação dos encargos com as parcerias público-privadas, garantindo em 2014 apenas a transferência para as entidades concessionárias das receitas obtidas com a exploração e assegurando, excecionalmente, os recursos adicionais necessários à prestação dos serviços e a manutenção dos postos de trabalho quando aquelas receitas não sejam suficientes para o efeito. Esta medida é acompanhada de um processo de extinção das parcerias público-privadas e consequente reversão para o Estado.
11) Anulação dos contratos swap, celebrados entre empresas públicas e a banca, eliminando as perdas potenciais que lhes estão associadas.
12) Criação de um imposto sobre transações financeiras realizadas em bolsa, inspirado na taxa Tobin.
13) Utilização de parte da verba de 6.400 milhões de euros, que o Governo tem reservado para a recapitalização da banca, para a regularização das dívidas do Estado a empresas fornecedoras de bens e serviços.
14) Alteração do Estatuto dos Benefícios Fiscais, eliminando os benefícios fiscais da Zona Franca da Madeira e tributando à taxa de 28% os rendimentos obtidos em fundos de capital de risco, fundos de investimento mobiliário e fundos de capital de investimento imobiliários em recursos florestais.
15) Alteração do Estatuto dos Benefícios Fiscais, eliminando os benefícios aplicáveis às mais-valias realizadas por empresas e indivíduos não-residentes, entre os quais a isenção total de tributação em IRC e IRS.
16) Alteração do Estatuto dos Benefícios Fiscais, eliminando a isenção do IMI e do IMT de prédios integrados em fundos de investimento imobiliário.
17) Englobamento, em sede de IRS, de dividendos distribuídos a residentes por sociedades sediadas em Portugal ou no estrangeiro, assim como de outros rendimentos de capital.
18) Tributação, à taxa de 35%, das transferências de capital para todos os territórios com regime fiscal mais favorável (como, por exemplo, a Holanda).
O objectivo orçamental fixado pelo Governo de défice de 4% só poderia ser alcançado à custa da ruína do país, do desastre económico e social. Apesar de não aceitarmos o espartilho do défice as propostas apresentadas pelo PCP que significam o aumento dos encargos para o Estado são compensadas em parte com outras propostas de redução de despesa e arrecadação de receita. Estas últimas traduzem-se num efeito orçamental positivo de mais de 10 mil milhões de euros.
As propostas do PCP, no sentido de desagravar a carga tributária sobre os trabalhadores, os reformados e pensionistas, as famílias, e as micro e pequenas empresas representam uma redução de receita fiscal, substancialmente inferior ao acréscimo de receita / redução de despesa que resulta de uma mais adequada tributação do grande capital e da eliminação de rendas garantidas pelo Estado à banca e aos grandes grupos. »

Os EUA e os imigrantes latinos

Ah, ah, ah, boa piada


Jeff Danziger na revista In These Times

Maravilhas da política que temos

Viver com 431 euros
ou menos de 310 euros




Só acrescentar que o salário mínimo nacional corresponde a um ordenado líquido de 431,65 euros e que segundo  as  estatísticas da Segurança Social  os trabalhadores que auferiam a retribuição mínima garantida não ultrapassavam os 5,5% em 2007  e que, em 2011, as mulheres constituiam a maior parte dos trabalhadores que contam com esta retribuição mensal - 14,9% das mulheres recebiam SMN e 8,1% eram homens . Mais palavras para quê ?

25 novembro 2013

Um vergonhoso flagelo que continua

Hoje Dia Internacional
pela Eliminação da Violência
contra as Mulheres







Sobre Raquel Varela e o 25 de Novembro

Antes e depois do 25 de Abril, 
fartei-me de conhecer não comunistas
que estavam sempre dispostos a bater-se
até ao último comunista


Eu não queria mexer a sério no assunto mas perante esta afirmação de Raquel Varela, inserta pelo meio de um arrazoado verbalista, esquemático e voluntarista que ofende o marxismo, de que «[o 25 de Novembro]É ainda uma memória que pesa porque o Partido que teve um papel heróico contra a ditadura – o PCP – aceitou não resistir ao 25 de Novembro assumindo publicamente, pela mão do seu líder de então, Álvaro Cunhal, que a esquerda militar se tinha tornado um fardo para o PCP porque a sua actuação punha em causa o equilíbrio de forças com os 9 e os acordos de coexistência pacífica entre os EUA e a URSS» [o Milhazes faz escola, pelos vistos], só quero recomendar à blogger e historiadora em questão que leia, calculo que pela segunda vez, o discurso de Álvaro Cunhal no Campo Pequeno em 7 de Dezembro de 1975 e, se voltar a não entender, então leia mais oito vezes para igualar o Sócrates na leitura de uma obra de Kant.

Uma pergunta para a história

Porque é que, a 26,
os vencedores  do 25 de Novembro
falavam de  socialismo ?

vídeo aqui


Antes que a extrema-esquerda dos blogues me caia em cima, explico que este post não é nenhuma evocação de qualquer tipo da efeméride em causa (além do mais, essa noite de 25 para 26/11/1975, junta com a de 25 para 26/4/1974 e a de 27 para 28/9/1974, perfaz as três noites mais tensas e angustiadas da minha vida). Não, este post destina-se mesmo, e só, a fazer o gosto ao dedo com a pergunta que está no título e que há mais de 30 anos gostava de já ter feito em público. Na verdade. talvez muitos não o saibam mas esta afirmação, sem dúvida de importância histórica (mas feita também para defender o próprio «grupo dos nove»), é sem dúvida uma das afirmações públicas mais vezes emendadas por jornalistas, políticos e comentadores ao longo dos últimos 38 anos da seguinte forma: onde Melo Antunes disse «construção do socialismo», imensas vezes escreveram ou disseram «construção da democracia». Naturalmente que eu tenho resposta para a pergunta mas preferia que ela fosse dada designadamente por todos aqueles que estão sempre a esbracejar e indignar-se contra o facto de o preâmbulo da Constituição falar de socialismo.

Esperança de vida nos EUA ou...

.... o clássico problema
das médias estatísticas






a ler aqui

Na sua morte

Alcino Soutinho -
um grande arquitecto e
um homem de convicções

progressistas


O Museu do Neorealismo em Vila Franca de Xira é uma das muitas obras de Alcino Soutinho.
Como mero exemplo da cidadania activa e corajosa de Alcino Soutinho, aqui deixo um manifesto que subscreveu em 26.3.2006

23 novembro 2013

Virando o bico ao prego

Resposta em 117 caracteres a
um artigo de 7137 caracteres


artigo ou manual de sofismas aqui

E a minha resposta aí já a seguir:

Porque hoje é sábado (351)

Sturgill Simpson


A sugestão musical deste sábado traz-vos
 o cantor norte-americano Sturgill Simpson.

A saúde das crianças muito bem mas..

... mas quem protege a
vida dos restantes portugueses ?



22 novembro 2013

Tantos assuntos em que assobiam para o lado...

E os meninos bem
comportados receberão
um saquinho de rebuçados?


Bem mais inteligentes e sensatas as palavras da Presidente da AR, Assunção Esteves, aqui.

E, já agora que tantos falam de
 Estado de Direito, só uma pergunta
 inconveniente
:
onde é que estava o Estado de Direito
quando o ministro Miguel Macedo
 e os Comandos da PSP consentiram
que a Polícia de Intervenção fosse
apedrejada por meia dúzia de jovens,
sem nenhuma reacção, 
durante uma hora em frente
à A.R. ?

Sobre os polícias e o gradeamento

A voz das pantufas ?

De Ferreira Fernandes no DN até alguns bloggers que estimo, vejo várias pessoas muito incomodadas com o facto e suposto ou alegado significado de ontem polícias terem ultrapassado a barreira (num acto manifestamente circunstancial) que estava protegida por colegas seus em serviço, quase tudo num tom de gente vidrada nas comparações. E já que é esse predominantemente o tom, aqui quero lembrar que os polícias não têm direito à greve e, portanto, quase quanto mais não seja por isso, talvez se lhes possa reconhecer a compensação de fazerem por uma vez o que não é permitido a outros cidadãos.
Esta é a minha visão e abordagem benévolas da coisa. A abordagem séria está na minha prece para que deus nosso senhor me poupe ao momento em que a voz das minhas pantufas já falar mais alto que a voz das minhas convicções, compromissos e razão.

Ontem, a voz comunista

«Diferentes, determinados,
dispostos  para salvar Portugal»

-Ru
ben de Carvalho na Aula Magna



Texto aqui


P.S.:Desculpem dar importância e divulgação à pura e mais nojenta infâmia mas fiquem os leitores a saber o que a grande «revolucionária» Raquel Varela acha que o Ruben esteve a fazer ontem na Aula Magna. Leia-se e pasme-se: «É verdade que os trabalhadores não sabem que na Aula Magna não se está a discutir o salário ou a reforma deles mas está-se a disputar os capitais retirados ao trabalho, um gigante combate sobre se o salário deve ir para a dívida pública ou para isenções ficais a empresas «produtivas» que «criam emprego» a 432 euros líquidos».

Não costumo e não gosto de falar assim mas...

... um Presidente da República
que fica calado perante isto
é um capacho




Expresso online

Decididamente uma história mal contada

Nos 50 anos
do assassinato de JFK


 Panfleto distribuido em Dallas
na véspera do assassinato
Um momento crucial no esclarecimento do caso

Uma história para adormecer crianças
:
no dia 22 de Novembro de 1963, o 35º Presidente dos EUA, um homem bem parecido chamado John Fitzgeral Kennedy, foi assassinado a tiro em Dallas dizem que por um tal Lee Harvey Oswald, ex-marine, ex(?)-assalariado da CIA enquanto viveu na União Soviética e falso agitador pró-castrista em Nova Orleães. Vai daí um patriota chamado Jack Ruby, dono de um bar de má-fama e com ligações ao mundo do crime, entrou numa esquadra em Dallas e à passagem de Osvald matou-o com um tiro, por entre uma chusma de jornalistas e polícias. Vai daí, um tempo depois, um cancro matou o patriota Ruby e uma série de pessoas vitais para uma devida investigação do assassinato do Presidente também deixaram de fumar, morrendo em circunstâncias mais ou menos estranhas. Também se fala muito de uma autópsia absolutamente incompetente de JFK , de que o melhor atirador do Exército dos EUA não conseguiu disparar o mesmo número de balas no tempo que se atribuiu a Osvald, para já não falar na extraordinária gincana e trajectória que uma bala terá feito dentro do corpo do governador Connaly. E, por fim ou entretanto, como havendo lata e papel tudo é possível, uma Comissão presidida pelo juiz Warren, produziu 880 páginas para concluir que Lee Harvey Oswald foi o autor do crime, num gesto absolutamente individual e sem quaisquer cumplicidades. E assim se cumpriu o artº 19º da Constituição americana que determina que os assassinatos de personalidades políticas naquele país são sempre obra de actos individuais (JFK, Martin Luther King, Robert Kennedy).E, pronto, dorme bem, querida menina.