30 julho 2013

Hoje na A.R.

Ora tomem lá a confiança !



No «El País Semanal»

Crónica da escritora
Almudena Grandes

sobre este tempo selvagem


«Es una oportunidad, le dijo su padre, una oportunidad, insistió su madre, una oportunidad, concluyó ella misma.
Hace seis años, Isabel trabajaba en una tienda de ropa de una gran cadena, en un centro comercial del Puerto de Santa María. Aquel trabajo se le daba tan bien, y le gustaba tanto, que compensaba con creces los 90 kilómetros, casi dos horas en cuatro trayectos de ida y vuelta entre Rota y El Puerto, que tenía que hacer a diario. Entonces, un buen día, empezó a oír hablar de la crisis como de un animal mitológico, un país lejano, una tormenta que apenas se insinuaba en el inmaculado horizonte de un cielo azul y veraniego. ¿Qué pasó después? Todavía no es capaz de explicárselo. Todavía no ha cumplido 30 años y ya lleva cinco en el paro.
Durante cinco años, el paro ha sido para Isabel un desierto plano e infinito, sin forma y sin relieve, un paisaje absolutamente estéril donde, por no haber, ni siquiera subsiste el espinoso esqueleto de algún matorral seco. Nada por delante, nada a los lados, nada por arriba y nada por abajo, nada. Y no será porque no lo haya intentado. Todos los supermercados, todas las oficinas, todas las tiendas y hasta las farolas de su pueblo, han dispuesto muchas veces de su nombre y su teléfono. Lo demás, que está dispuesta a hacer cualquier cosa, lo que sea, se sobreentiende. Por eso, cuando la llamaron de un hotel de Costa Ballena para ofrecerle una plaza de animadora, ni siquiera se paró a pensar que nunca había hecho nada parecido, que no tenía experiencia para entretener a un montón de niños. Era una oportunidad, así que se arregló, respiró hondo, le pidió prestado el coche a su padre y se fue a hacer la entrevista. Cuando entró en aquella oficina, seguía creyendo que estaba dispuesta a todo. Aún no sabía lo que significaba exactamente esa palabra.
Isabel es joven, atractiva, tiene buena presencia, una voz agradable, así que todo fue sobre ruedas hasta que llegó el momento de pactar las condiciones económicas del trabajo.

Después, durante un rato, tampoco pasó nada, porque necesitó algún tiempo para procesar lo que estaba escuchando, y sumar, y restar, y comprender al fin qué clase de oportunidad le habían puesto entre las manos.
“Durante cinco años, el paro ha sido para Isabel un desierto infinito, un paisaje estéril”
–Pero… Si entro a las nueve y media, y salgo a las nueve y media –recapituló en voz alta–, no puedo venir en autobús porque no me encajan los horarios.
–Ya, pero me has dicho que conduces y tienes coche.
–Sí, eso sí, pero… Claro, son doce horas…
–Once –su interlocutor seguía impertérrito, una sonrisa tan firme como si se la hubieran tatuado encima de los labios–, porque tienes una para comer.
–Claro –volvió a repetir ella–, pero en una hora, entre ir y volver… No me merece la pena comer en Rota, así que tendría que tomarme aquí un bocadillo.
–Claro –el hombre sentado al otro lado de la mesa pronunció aquella palabra por tercera vez–, o lo que quieras. Podrías traértelo de casa, porque el empleo no incluye la comida.
–Claro –y nada estuvo nunca tan oscuro–. Pero entre lo que me gasto en gasolina, en comida… –antes de llegar a una conclusión definitiva pensó que todavía le quedaba un clavo al que agarrarse–. ¿Y la Seguridad Social?
–Una hora.
–Una hora… ¿Qué?
–Te aseguramos una hora por cada día trabajado.
Isabel recapituló para sí misma. La oportunidad que le estaban ofreciendo consistía en trabajar 11 horas diarias, sin transporte y sin comida, por 350 euros al mes y una cotización 10 veces inferior a la que le correspondería. No se lo podía creer, pero todavía le quedaba una pregunta.
–Perdone, pero… ¿Esto es legal?
Su interlocutor se recostó en la butaca y se echó a reír.
–Por supuesto que sí. ¿Qué te creías?

(Esta es una historia real. Isabel existe, y la oferta de empleo que no aceptó, porque trabajar 11 horas diarias casi le habría costado dinero, existe también. Costa Ballena está en la provincia de Cádiz, a un paso de Sanlúcar de Barrameda, que mira a Doñana desde la otra orilla del río Guadalquivir. Para llegar a la ermita del Rocío desde allí, sólo hay que atravesar el Coto, y por eso tengo el gusto de dedicarle este artículo a doña Fátima Báñez, devota rociera, autora de la reforma laboral en vigor y ministra de Trabajo del Gobierno de España).

O que eles mereciam e ...

... o que, pela certa, 
não vai acontecer


No Público online lia-se ontem que «Governo retoma briefings diários quarta-feira». Se nos «media» prevalecesse um módico de dignidade, as suas direcções o que deviam mandar dizer ao Pedro Lomba é que «se não quiseram dar a cara nos dias em que tínhamos mais perguntas para fazer, fiquem agora a falar sozinhos».

29 julho 2013

Um livro estrangeiro por semana ( )

  The Iraq Papers




 
Edição da Oxford University Press, USA,
$9,95 em paperback

Apresentação do editor: «No foreign policy decision in recent history has had greater repercussions than President George W. Bush's decision to invade and occupy Iraq. It launched a new doctrine of preemptive war, mired the American military in an intractable armed conflict, disrupted world petroleum supplies, cost the United States hundreds of billions of dollars, and damaged or ended the lives of hundreds of thousands of Americans and Iraqis. Its impact on international politics and America's standing in the world remains incalculable. The Iraq Papers offers a compelling documentary narrative and interpretation of this momentous conflict. With keen editing and incisive commentary, the book weaves together original documents that range from presidential addresses to redacted memos, carrying us from the ideology behind the invasion to negotiations for withdrawal. These papers trace the rise of the neoconservatives and reveal the role of strategic thinking about oil supplies. In moving to the planning for the war itself, the authors not only provide Congressional resolutions and speeches by President Bush, but internal security papers, Pentagon planning documents, the report of the Future of Iraq Project, and eloquent opposition statements by Senator Robert Byrd, other world governments, the Non-Aligned Movement, and the World Council of Churches. This collection addresses every aspect of the conflict, from the military's evolving counterinsurgency strategy to declarations by Iraqi resisters and political figures-from Coalition Provisional Authority orders to Donald Rumsfeld's dismissal of the insurgents as "dead-enders" and Iraqi discussions of state- and nationbuilding under the shadow of occupation. The economics of petroleum, the legal and ethical questions surrounding terrorism and torture, international agreements, the theory of the "unitary presidency," and the Bush administration's use of presidential signing statements all receive in-depth coverage.The Iraq War has reshaped the domestic and international landscape. The Iraq Papers offers the authoritative one-volume source for understanding the conflict and its many repercussions.»

Em vésperas de moção de confiança

Olhem as primeiras
prendas do "novo ciclo"


Daltonismo sindical

Coitados, enganaram-se na cor !

Descoberto aqui no «cinco dias»

More darkside of America

Perguntas bem
mas sabes a resposta


a ler aqui

The dark side of America

Ora então voltemos a falar
da "private prison industry"

A ler aqui na revista In These Times

27 julho 2013

Mérito de Pacheco Pereira

Agora bem escrito o que
ando a tentar dizer há seis dias


«(...) Há uma obscena falta de vergonha incrustada no texto da moção de confianças  que o governo vai apresentar e que, por si só, é um retrato de uma política que, após as ingenuidades e ignorâncias iniciais, tem sido feita pelo dolo, para a manipulação e para o engano. (...) O que esta moção nos diz é uma completa mistificação desde a primeira letra . Diz-nos que havia um ciclo político pensado em duas fases: uma, o cumprimento do «programa», outra, o desenvolvimento e o crescimento. A crise governativa das últimas semanas foi o rito de passagem, a perda da pele de serpente, que permitiu abandonar a velha pele, para fazer reluzir a segunda.  Ou seja, ainda bem que houve esta crise, catártica na sua bondade, para podermos, limpos e lustrais, apresentar um «novo ciclo» aos portugueses. Nada disto é verdade, nem o «programa» foi cumprido, bem longe disso, nem este «novo ciclo»estava previsto nestes termos na programação governativa., nem as vítimas da «austeridade» podem esperar qualquer alívio, nem as vítimas que se seguem, as da «reforma do Estado», podem escapar à desvalorização do seu trabalho e ao desemprego. O programa real continua, o virtual vem aí. (...)».

José Pacheco Pereira, hoje no Público

Caro dr. Passos Coelho:

E que tal uma coisa assim
pelo país fora mas usando antes
papel couché, cores e vídeos nos palcos ?

Ora vamos lá a ver

Alguém me sabe dizer quanto
é que vai calhar a grandes
necessitados como os bancos,
a Sonae, a Jerónimo Martins, a Galp,
a EDP, a REN and so on ?


 

Porque hoje é sábado (336)

Gretchen Parlato


A sugestão musical deste sábado é dedicada
a cantora norte-americana de jazz
Gretchen Parlato, cujo último álbum
se intitula Lost and Found
.


Não há outra maneira de dizer

A palhaçada continua





Pergunta e resposta

Sabe porque a diária da nice
Kate Middleton no hospital
era de 6.000 euros,
fora honorários médicos ?



Porque é o único no mundo que está preparado para transfusões de sangue azul.


Entretanto, diz a insuspeita BBC


26 julho 2013

Uma bela tradição

Começa amanhã o
Newport Folk Fest 2013





Entre as dezenas de artistas participantes contam-se os

Trombone Shorty & Orleans Avenue





e os Shovels & Rope





Ninguém os bate !

Teimosa e hostil, a realidade
destrói todos os dias a propaganda


Desastre ferroviário na Galiza

Sem palavras

vídeo aqui

Um «novo ciclo» cheio de velharias

Ainda a infame e
criminosa privatização dos CTT


hoje no Público online

sobre isto aqui


 ... e quanto a estes é só recordar

Hoje no Público online

aqui noticia de 8 de Março de 2010
a privatização dos CTT na voz do PS
antes mesmo de ter entrado num PEC
e no memorando de entendimento

com a troika

25 julho 2013

Nem ao menos umas aspas

Quando a imprensa faz sua
a propaganda do governo mas...


... assinalando o «novo ciclo»

cortes entram hoje em vigor



Mandando passear a conversa fiada

Apesar de haver mais umas centenas de milhar de desempregados, dizem as notícias que «A receita do Estado com IRS cresceu 38,8% nos primeiros seis meses do ano, em comparação com a primeira metade de 2012, conseguindo mais 1416,6 milhões de euros», o que chega para demonstrar o que todos sentimos, ou seja uma brutal e infame extorsão em matéria de IRS.

Entretanto, as mesmas notícias contam-nos que «Os impostos indirectos continuam a apresentar uma quebra em termos homólogos.Nos primeiros seis meses do ano, o Estado perdeu 128,7 milhões de euros em impostos indirectos em termos homólogos.Para este resultado continua a contribuir negativamente uma quebra do IVA de 0,8%, de 17,9% na receita do imposto sobre veículos.» Ou seja, voltamos a saber que este génios aumentaram o IVA para 23%, afundando importantes sectores económicos, e no fim obtém menos receitas !

Eurobarómetro 79

Portugueses no pelotão
da frente da apreensão e pessimismo


(clicar nas imagens para aumentar)




o pior resultado de sempre para o euro

sondagem integral aqui

24 julho 2013

Como se dizia no meu tempo

E hoje, às 17 hs., entram
os violinos de Helmut Zacharias




o pior é a realidade de todos os dias.

Rui Machete, ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros

Uma experiência
que, segundo Cavaco,

talvez lhe seja útil


Rui Machete foi Vice-Primeiro Ministro entre 1983 e 1985, no governo PS-PSD dirigido por Mário Soares e também benevolamente chamado do «bloco central», ou seja, também em tempo de austeridade e intervenção do FMI. Ir buscar alguém que foi ministro há 30 anos pode ter a vantagem de ilustrar perante os mais novos há quanto tempo esta gente, coligada ou alternadamente, nos (des)governa.

Ataque às «senhas de alimentação»

Como a América está
tratando os seus pobres


A ler aqui em In These Times

23 julho 2013

22 julho 2013

Fim de dia, sempre voltando a

Melody Gardot
(agora com novo disco)


Melody Gardot na última bela capa do Babelia





O novo disco «The Absence» inclui canções
como «Saudade» (homenagem a Cesária Évora),
«Amália» e «Lisboa»,.

Vejam o bem que as monarquias nos trazem

Já podem dormir bem,
esquecer Cavaco, Passos & Portas

e tudo o mais que amargura a nossa vida


É só o que falta

O novo ciclo, o contador
a zero e o decreto impossível



Com vista a assegurar a plenitude do «novo ciclo», parece que já se encontra para promulgação presidencial no Palácio de Belém, um decreto-lei dispondo designadamente o seguinte:

1. O período compreendido entre 21 de Junho de 2011 e 21 de Julho de 2013 é riscado do calendário nacional, com excepção para efeitos de dívidas ao fisco e à segurança social e a outras obrigações contratuais assumidas pelos cidadãos.

2. Serão destruídos todos os arquivos audiovisuais, colecções de imprensa escrita, estatísticas  e  outros registos referentes ao citado período.

3. Fica determinado que o «novo ciclo» se define por relação ao ciclo anterior do Governo do PS dirigido pelo eng. José Sócrates.

4. Os cidadãos que publicamente, em ostensivo desrespeito pelo disposto neste decreto, se refiram publicamente à actividade governativa no período referido no nº 1, ficam sujeitos a uma sobretaxa de IRS de 30%.

21 julho 2013

Breve comentário à presidencial comunicação

A anilha na cagarra é o menos,
o pior é continuar a ser o supremo

zelador desta nossa grilheta

"Devo confessar perante os portugueses
a minha grande desolação pois
nas Selvagens, onde - como o nome
indica - tudo era mais díficil,
consegui um acordo para 20 anos
entre as cagarras e as calcas-de-água».