29 abril 2013

Nos 20 anos da sua morte

Recordando Rogério Paulo


As coisas são como são e só por uma visita ocasional à livraria do Teatro Nacional D. Maria II, através de uma justa evocação aí presente, fiquei a saber que no passado dia 25 de Fevereiro se completaram 20 anos sobre a morte de Rogério Paulo, actor e encenador, figura destacada da cena teatral portuguesa na segunda metade do século XX, membro do PCP desde 1953, candidato da Oposição Democrática às «eleições» fascistas de 1957 (e por isso durante muitos e muitos anos afastado da Emissora Nacional e da RTP), colaborador da fuga de Peniche em 3 de  Janeiro de 1960 (foi ele que abrindo o porta-bagagens ou o capot de um carro deu aos presos o sinal de confirmação de que a fuga era naquele dia), preso pela PIDE em Novembro de 1963, fundador do celebrado Teatro Moderno, um homem de ideais, convicções  e coragem. Quando passam 20 anos sobre a sua morte, entendo homenageá-lo contando que, se para muitos de nós naquele tempos sombrios a guitarra de Carlos Paredes era um código e uma espécie de música de fundo da resistência antifascista, para mim a voz algo rouca e muito vulcânica de Rogério Paulo, falasse ele do que falasse, soava sempre como um estímulo à continuação da luta pela liberdade.

 

Se o descaramento pagasse imposto ...

Desculpem a repetição mas o que 
é que querem que eu faça ?

É claro que todos sabemos que em quase tudo sobra sempre e muito para o PS mas esta declaração de Vítor Gaspar a culpar agora as «autoridades europeias» por terem fechado os olhos à «mentira» e práticas de desorçamentação das PPP é um inacreditável exercício de hipocrisia e cinismo que só pode ter como grande finalidade absolver os governos PSD-CDS e PS que sobre tais parcerias legislaram e as implantaram debaixo de fogo cerrado do PCP. Pois então, o dr. Vítor Gaspar que se assoe ao seguinte guardanapo:


Mais palavras certeiras de Krugman





«(...) Sin embargo, la austeridad mantuvo e incluso reforzó su dominio sobre la opinión de la élite. ¿Por qué?
Parte de la respuesta seguramente resida en el deseo generalizado de ver la economía como una obra que ensalza la moral y las virtudes, de convertirla en un cuento sobre el exceso y sus consecuencias. Hemos vivido por encima de nuestras posibilidades, cuenta la historia, y ahora estamos pagando el precio inevitable. Los economistas pueden explicar hasta la saciedad que esto es un error, que la razón por la que tenemos un paro tan elevado no es que gastásemos demasiado en el pasado, sino que estamos gastando demasiado poco ahora y que este problema puede y debería resolverse. Da igual; muchas personas tienen el sentimiento visceral de que hemos pecado y debemos buscar la redención mediante el sufrimiento (y ni los argumentos económicos ni la observación de que la gente que ahora sufre no es en absoluto la misma que pecó durante los años de la burbuja sirven de mucho).
Pero no se trata solo del enfrentamiento entre la emoción y la lógica. No es posible entender la influencia de la doctrina de la austeridad sin hablar sobre las clases y la desigualdad.
A fin de cuentas, ¿qué es lo que quiere la gente de la política económica? Resulta que la respuesta depende de a quién preguntemos, una cuestión documentada en un reciente artículo de investigación de los politólogos Benjamin Page, Larry Bartels y Jason Seawright. El artículo compara las preferencias políticas de los estadounidenses corrientes con las de los muy ricos y los resultados son reveladores.
Así, al estadounidense medio le preocupan un poco los déficits presupuestarios, lo cual no es ninguna sorpresa dado el constante aluvión de historias de miedo sobre el déficit en los medios de comunicación, pero los ricos, en su inmensa mayoría, consideran que el déficit es el problema más importante al que nos enfrentamos. ¿Y cómo debería reducirse el déficit presupuestario? Los ricos están a favor de recortar el gasto federal en asistencia sanitaria y la Seguridad Social —es decir, en “derechos a prestaciones”—, mientras que los ciudadanos en general quieren realmente que aumente el gasto en esos programas.

Han captado la idea: el plan de austeridad se parece mucho a la simple expresión de las preferencias de la clase superior, oculta tras una fachada de rigor académico. Lo que quiere el 1% con los ingresos más altos se convierte en lo que las ciencias económicas dicen que debemos hacer.
¿Realmente redunda en interés de los ricos una depresión prolongada? Es dudoso, dado que una economía próspera suele ser buena para casi todo el mundo. Lo que sí es cierto, sin embargo, es que los años transcurridos desde que tomamos el camino de la austeridad han sido pésimos para los trabajadores, pero nada malos para los ricos, que se han beneficiado del aumento de los rentdimientos y de los precios de las acciones aun cuando el paro a largo plazo empeora. Puede que el 1% no desee realmente una economía débil, pero les está yendo lo bastante bien como para dejarse llevar por sus perjuicios.
Y esto hace que uno se pregunte hasta qué punto cambiará las cosas el hundimiento intelectual de la postura austeriana. En la medida en que tengamos una política del 1%, por el 1 % y para el 1 %, ¿no seguiremos viendo únicamente nuevas justificaciones para las viejas políticas de siempre?
Espero que no; me gustaría creer que las ideas y los hechos importan, al menos un poco. De lo contrario, ¿qué estoy haciendo con mi vida? Pero supongo que veremos qué grado de cinismo está justificado.» (artigo integral aqui)

Espanha e o retrocesso em marcha sobre o aborto

Este ministro pode ter cara
de senhor mas é uma grande besta !





Entre 1982 (ano em que foi apresentado o primeiro projecto do PCP sobre despenalização do aborto) e 1998 (ano em que, por via de referendo, foi consagrada a decente legislação que hoje temos), sempre sustentei, designadamente com base nos exemplos de Itália e de França, que as forças de direita mesmo que voltassem ao governo não teriam nem coragem nem condições para voltar a fazer marcha atrás em tal matéria. Felizmente, até agora, assim tem sido em Portugal mas aí está a Espanha a derrotar a minha «tese» com uma perigosa tentativa que não nos deve ser indiferente de de promover o que  um editorial de El Ps chama de «retrocesso intolerável»:

«Nadie en el Gobierno ni en el partido que le sustenta ha explicado con argumentos sólidos la necesidad de cambiar la ley de plazos sobre el aborto. Porque no los hay. La norma, en vigor desde julio de 2010, reconoció el derecho de las mujeres a decidir libremente sobre su maternidad dentro de un límite general que permite interrumpir el embarazo durante las primeras 14 semanas de gestación. Se trata de una ley que se ajusta a los estándares legales de los países de nuestro entorno, que se aplica sin problemas sociales, que no ha disparado el número de abortos —en contra de lo que algunos auguraron— y que goza del apoyo de la mayoría de españoles, según las encuestas de opinión. Pocas dudas caben, pues, de que la reforma que promueve el partido conservador responde a razones más inconfesables que las esgrimidas y avanza con firmeza impulsada por el chantaje a que, en este asunto, somete al Ejecutivo y al PP la cúpula de la Iglesia católica con el cardenal Rouco Varela a la cabeza. (ler o resto aqui )

28 abril 2013

Para além do barulho das luzes, o que eu fixei

Maioria absoluta e continuação
da austeridade e sacrifícios

É este o «novo rumo»? Se é...



Para o seu domingo



El Gran Combo : Azuquita Pal Cafe




Radio Jarocho: Café Café 

muitas mais aqui

Um livro estrangeiro por semana ( )

Les trois morts
de George Politzer

Apresentação do editor : «Dès l’âge de neuf ans, après la mort de ses parents Georges et Maï Politzer, Michel Politzer a vu s’effacer la mémoire de son enfance. Qui furent ses parents ? Comment György, ce lycéen révolté qui participe à 16 ans le fusil à la main à la révolution des Conseils hongrois de 1919, devient-il Georges, un brillant agrégé de philosophie propulsé au centre de la vie intellectuelle parisienne ? Comment cet admirateur de Descartes rencontre-t-il ensuite sa future épouse, Maï, qui vénère Pascal, dans un train du pays basque ? Quelle fut la vie de ces deux militants communistes et résistants, dévorée par l’étude, l’action et la rédaction d’une œuvre philosophique singulière ? Une vie qui valut à Georges de tomber sous les balles nazies en 1942, et à Maï de ne jamais revenir du camp d’Auschwitz.

Grâce à quelques photos et à de rares témoignages qui lui ont permis de retrouver une partie de sa famille restée dans l’ombre, après un voyage dans la Hongrie natale de Georges, Michel Politzer recompose le portrait de ses parents, héros d’une génération d’intellectuels engagés. Son récit des origines est le fruit d’une bouleversante enquête.»


George Politzer, filósofo comunista
assassinado pelos nazis aos 39 anos

27 abril 2013

Houve quem combatesse a «rebaldaria» ou...

... a história amputada

38 anos depois, o Correio da Manhã resolveu resuscitar, com exemplo em Durão Barroso, as «passagens administrativas« em Faculdades do país, nomeadamente no ano de 1975.  A respectiva notícia omite entretanto dois aspectos essenciais sem os quais muita gente  pode hoje pensar que todos estavam envolvidos na «rebaldaria»: o primeiro é que Durão Barroso e muitos outros não se limitaram a ser inocentes beneficiários de «passagens administrativas», antes foram exaltados campeões da sua instituição; o segundo é que o PCP e a UEC, contra poderodos  ventos de oportunismo e marés vivas de facilitismo, deram firme e corajoso combate às «passagens administrativas». Para que conste.

Porque hoje é sábado (322)

Hugh Masekele


A sugestão musical de hoje destaca o grande
trompetista e cantor sul-africano
Hugh Masekele





26 abril 2013

Mesma política, mesmos resultados

A foto do dia

No El País, debaixo desta manchete
uma foto que Mariano Rajoy não mandará
emoldurar para pôr em cima da secretária.

Exposição Álvaro Cunhal

Inauguração amanhã

às 15 horas.

Discurso de Cavaco Silva ou ...

... a imensa sabedoria dos cravos !


Segundo testemunhas oculares, um conjunto de cravos decidiu baquear quando ouviu Cavaco Silva soltar umas lágrimas de crocodilo sobre os dramas do desemprego massivo e ao mesmo tempo declarar inevitável e sem alternativa a política que o provoca. Os outros conjuntos de cravos não acompanharam este que se atirou ao chão porque, mais legalistas, invocaram que não tinham feito o competente pré-aviso de greve.

25 abril 2013

O ar do tempo

Hoje gostei especialmente desta...



... e desta magnífica resposta na hora



Um dia sem igual

Aviso: hoje não é dia para Cavaco entrar aqui

Nenhuma romagem

ao passado, 
só luta no presente
com os olhos no futuro



e, no Porto, no Largo Soares dos Reis,
às 14.30 hs, e, por diversas formas, em todo o país.


Sim, idades à parte, queremos continuar
 a ser filhos desta madrugada

24 abril 2013

Um imenso adeus a

Richie Havens
(1941-2013)

Faleceu na passada segunda-feira o cantor norte-americano Richie Havens que foi quem acabou por abrir o Festival de Woodstock  e que muitos nos lembramos de ter visto e ouvido numa das primeiras festas do Avante!. Escolhi esta foto porque, embora tirada noutro lugar, corresponde quase exactamente à imagem que guardo dele a sair do Palco 25 de Abril para os bastidores; digamos que eu estava no mesmo sítio deste fotógrafo.

IVA a 23% na restauração

Um puro caso de polícia por causa
de uso ilegal de dinamite económica



aqui o estudo da Waterpricecoopers


Agora, para completar a descrição deste inexcedível caso de burrice e teimosia, com contornos de caso de Polícia, só falta dizer que, depois do Conselho de Ministros de ontem centrado na miragem e milonga do crescimento económico quando se faz tudo para o comprometer e para acentuar a recessão, o IVA na restauração continuará nos 23% que, como se vê, tão bons resultados têm dado para a economia, para o emprego e para as próprias receitas do Estado.

Foi você que pediu um culto da personalidade ?

Estilo formoso,
inimitável Braga de Macedo



No sítio do Instituto de Investigação Científica e Tropical, presidido por Jorge Braga de Macedo, aproveita-se a notícia da ida de um dos seus para o Governo para lembrar discreta e modestamente que já há 22 anos o «actual presidente» também «partira para o Governo». Chega aqui, se faz favor, ó O'Neill.

Uma boa notícia no NYT

Nos EUA resiste-se à histeria





23 abril 2013

Uma sugestão para hoje e à borla

Já agora em tempo
de máximo descaramento



No dia em que o Conselho de Ministros, em vez de aparecer a fazer o pino numa escadaria qualquer (o que sempre nos distraía), vai anunciar uma Agenda para o Crescimento (ler ou reler aqui), talvez fosse uma boa ocasião para o Santos Pereira nos vir dizer não apenas que as crises também são oportunidades mas também que no meio milhão de desempregados que não recebem qualquer subsídio está um formidável potencial, que urge aproveitar, para o aumento da procura interna e consequente dinamização da actividade económica.

já aí o comentário de Agostinho Lopes,
do PCP, às conclusões do
 Conselho de Ministros extraordinário

Como conquistar «um dia de glória» ou..

... ai, ai, os ventos da «modernidade»



Como os riscos de contágio, para o que me importa, são nulos, posso aqui registar que um grupo de 45 dirigentes, deputados ou quadros do PS com  menos de 45 anos acaba de ter o seu dia de glória (uma página inteira no Público) ao apresentar em nome da «abertura à sociedade» um conjunto de revolucionárias alterações estatutárias de que destaco, entre outras, as de «atribuir direito de voto a simpatizantes do PS na eleição para o secretário-geral do partido, convocar referendos para decidir sobre posições do partido, nos quais possam votar militantes e cidadãos eleitores, e a possibilidade de 25 cidadãos independentes ou simpatizantes poderem entrar para a comissão nacional e 7 incluírem a comissão política».

Como se calculará, Deus me livre de me ingerir em questões da vida interna do PS e, além do mais, salvo por razões de príncipio sobre as evoluções do sistema político, tanto me faz o que decidam ou queiram instituir na sua vida interna.

Não, não e não, a este respeito só quero desabafar no sentido de que, iluminado pela celébre frase de Groucho Marx, eu jamais aceitaria ser membro de um partido em que independentes ou simpatizantes tivessem os mesmos direitos que eu e manifestamente menos deveres que eu e que jamais aceitaria, se fosse independente ou só simpatizante, fazer parte da direcção de um partido cuja acção colectiva deverá ser supostamente baseada no esforço e trabalho dos que são membros do partido.

Quanto ao resto, seria sempre bonito e comovedor ver um partido a aceitar regras que nem um grupo columbófilo, colectividade de cultura e recreio ou misericórdia aceitaria. Mas não liguem, eu estou velho e consequentemente relapso aos pujantes ventos da modernidade e os subscritores da papeleta têm, ao que parece, talvez com excepção do Carlos César, menos de 45 anos.

O país entregue aos bichos

Eles jogam, às vezes vão
para secretários de Estado,
nós pagamos



E eu, que por acaso até sou ateu, juro sobre a Biblia que ministros e governos, coitadinhos, não sabiam de nada.

22 abril 2013

Antes que estoire qualquer coisa

Mais cinco para o PREC
(Processo de Remodelação Em Curso)


Nem o antetítulo deste post nem este espectacular sistema de remodelações  às pinguinhas nem muito menos a situação do país parecem tirar a boa disposição a este inesquecível pessoal.

Não, não vou falar de penalties

O que eles estão
sempre a esquecer !



Eurobarómetro nº 78, Inverno de 2012

20 abril 2013

Com pretexto num livro que ainda não li

O meu testemunho sobre
os dias 25 e 26 de Abril de 1974




Existem muitos testemunhos sobre os dois tensos e agitados dias que viveram os presos políticos em Caxias nos dias 25 e 26 de Abril de 1974 , sendo que  eu próprio alguma coisa terei escrito sobre isso na falecida e desaparecida primeira série de «o tempo das cerejas». Agora, dada a publicação de um livro «Os Últimos Presos do Estado Novo»  que ainda não li, da autoria de Joana Pereira Bastos, quero também deixar o meu testemunho, começando por sublinhar que não pode espantar que haja diferentes versões até porque os presos, convém não esquecer, estavam encerrados em celas e portanto sem beneficiarem de uma comunicação geral.

Na explicação de diferentes das versões (todas exactas na vivência individual de cada um) a meu ver também se deve considerar que enquanto numa das alas estavam os presos políticos resultantes de detenções selectivas, em processo de julgamento ou já condenados a aguardar transferência para Peniche, já na outra ala (a minha) para além das mulheres em cumprimento de pena, estavam sobretudo dezenas de democratas presos acidentalmente em 6 de Abril e os membros do sector intelectual do PCP presos em 18 de Abril. Acontece  que enquanto na primeira ala que referi vigorava a rígida  e normal «disciplina» daquela prisão, já na segunda, onde eu me encontrava, desde que lá chegámos que reinava uma considerável indisciplina para a qual nunca consegui encontrar uma explicação totalmente plausível, a não ser que a direcção da cadeia, a PIDE e os guardas entendiam que podiam ser mais liberais com uma data de gente que tinha sido presa acidentalmente e que, em princípio, acabaria por ter de ser libertada. De referir que, para além de diálogos muito agrestes dos presos com os guardas, essa indisciplina teve a sua maior expressão no descaramento e impunidade com que os presos que estavam virados para a o morro da parte de trás, gritavam e falavam  uns para os outros.

No que me toca, e ao João Pedro, estudante de Agronomia, que compartilhava a cela comigo, no dia 25 de Abril o primeiro elemento estranho, logo de manhã, foi o facto de não termos sido chamados para o "recreio"(1 hora no terraço). Então, o João Pedro deu uns valentes murros na porta e chamou o «funcionário» (era assim que se chamava ao guarda mais responsável) e este lá balbuciou, em estado de manifesto nervosismo e perturbação que bem registámos, que naquele dia não havia recreio e pronto.

O segundo elemento que nos fez desconfiar que algo de anormal  se estaria a passar foi quando vimos a patrulha da GNR instalada no morro mudar de equipamento passando a usar capacete e dupla cartucheira.

Para mim e para o João Pedro, para além  das conversas que iamos tendo com os outros presos, creio que o mais relevante foi sobretudo que à noite ouvimos uns insistentes ruídos metálicos por cima da cela e suspeitámos  que podiam estar a ser instaladas metralhadoras no terraço, o que nos deixou muito apreensivos. Mais tarde, o outro elemento foi a comunicação feita pelo José Tengarrinha de que tinha ouvido por uma mensagem de claxon de automóvel (feita, viemos depois a saber, pelo Carlos Carvalhas e por outro economista, o Pedro Ferreira) da qual percebera apenas uma parte que falava de «queda do governo».

Num seu testemunho, José Tengarrinha recorda e bem que nem valia a pena barricar a entrada das celas porque as portas abriam para fora mas eu e o João Pedro barricámo-nos, já não sei se com o beliche duplo, num óbvio esquecimento de para onde abria a porta, se com o armário existente na cela.

Para nós e creio que para os outros presos a verdadeira angústia foi essa noite passada em claro, à espera do pior. Na apresentação do livro de Joana Pereira Bastos afirma-se «os prisioneiros enfrentaram horas a fio» a «incerteza» sobre se  seria «um golpe da esquerda ou, tal como acontecera no Chile, da direita mais radical? ».

No que me diz respeito, quero esclarecer que essa noite foi passada com o medo de violências ou retaliações por parte da PIDE mas sem que isso significasse que já sabia, sem margem para dúvida, que tinha havido um golpe. Para mim e para o João Pedro, a questão real evocada pela autora do livro não durou horas, pela simples razão de que só durou quando talvez pelas 7 da manhã de 26 (a tomada tão tardia de Caixias foi talvez a grande falha na execução do plano da operação militar) vimos dois fuzileiros junto à janela da nossa cela e falámos com eles e da suas palavras intuimos que não parecia ser um golpe de Kaulza de Arriaga. Neste nosso juízo também pesava o facto, eventualmente excessivamente confiante, de não estarmos a ver os fuzileiros a alinharem num golpe dos «ultras». É claro que escusado será dizer que tudo ficou esclarecido algum tempo depois quando compareceu um oficial da marinha.

Depois, a história é amplamente conhecida: foi a saída para o páteo de todos os presos e o seu posterior regresso às alas mas com respeito da exigência dos presos de que houvesse livre circulação dentro delas, as conversas através de uma porta com membros da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos, a exigência da libertação de todos os presos sem excepção e, ponto importante, naquele jogo de forças, a comunicação que fizémos de que, se não se operasse a rápida libertação de todos os presos, estes se passariam a considerar «presos do movimento militar».

A este respeito, e como sinal de que até naquelas situações as cabeças fervilham, lembro-me de, quanto às resistências da Junta em libertar presos que tivessem cometido «crimes de sangue», ter dado ao saudoso Francisco Pereira de Moura um argumento que não sei se ele aproveitou. Era qualquer coisa assim: «Professor, por favor dê este exemplo aos militares: eles que imaginem que, durante a operação  de ontem, tinham tido necessidade de fazer explodir um troço inicial da Ponte de Vila Franca e que disso tinha resultado a morte de dois civis tripulantes de um carro; e eles que imaginem que o seu levantamento tinha sido derrotado; e agora que digam se queriam ser julgados por «crimes políticos» ou por «crimes de sangue».

Remate final sem o qual não se perceberá muita coisa que veio a seguir: naquele dia 26 o que já ocupava mais espaço no pensamento da maioria dos presos não era a sua libertação individual mas o que era necessário fazerem quando saíssem de Caxias.